Política

Em alegações finais ao TSE, PSDB incrimina Dilma mas isenta Temer

O autor das ação que investiga no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o suposto abuso de poder político e econômico da chapa Dilma-Temer de 2014, o PSDB, nas alegações finais, entregues à Corte Eleitoral cita episódios investigados na Operação Lava Jato para tentar incriminar a petista e considera o peemedebista isento de “qualquer prática ilícita”. [Leia mais...]

[Em alegações finais ao TSE, PSDB incrimina Dilma mas isenta Temer]
Foto : Lula Marques/ Fotos Públicas

Por Laura Lorenzo no dia 27 de Março de 2017 ⋅ 19:34

O PSDB, autor da ação que investiga no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o suposto abuso de poder político e econômico da chapa Dilma-Temer de 2014, cita, nas alegações finais entregues à Corte Eleitoral, episódios investigados na Operação Lava Jato para tentar incriminar a petista e considera o peemedebista isento de “qualquer prática ilícita” — de acordo com o jornal Estadão.

O relator da ação que pode levar à cassação da chapa, o ministro Herman Benjamin, concluiu nesta segunda-feira (27), o relatório final do processo e encaminhou aos outros ministros da Corte, e o caso pode ser julgado ainda na semana que vem. 

No documento entregue pela defesa do PSDB, os tucanos alegam que o presidente Michel Temer não deve ser penalizado por não ter realizado “qualquer prática ilícita” mesmo integrando a chapa de Dilma. “Ao cabo da instrução destes processos não se constatou em nenhum momento o envolvimento do segundo representado (Michel Temer) em qualquer prática ilícita. Já em relação à primeira representada (Dilma Rousseff), há comprovação cabal de sua responsabilidade pelos abusos ocorridos. ", alega o documento. 

Notícias relacionadas

[Bolsonaro tira Joice Hasselmann de liderança do governo ]
Política

Bolsonaro tira Joice Hasselmann de liderança do governo 

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Outubro de 2019 ⋅ 14:15 em Política

Joice foi escolhida líder do governo em fevereiro, pela indicação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)