Política

Bolsonaro descumpre regimento da Câmara e usa cota parlamentar para campanha, diz jornal

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tem usado sua cota parlamentar para custear viagens pelo país em que se apresenta como pré-candidato à Presidência em 2018. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, a cota reembolsa viagens e outras despesas do mandato dos parlamentares, mas o regimento interno da Câmara proíbe que os gastos sejam utilizados em 'caráter eleitoral'. [Leia mais...]

[Bolsonaro descumpre regimento da Câmara e usa cota parlamentar para campanha, diz jornal]
Foto : Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 24 de Abril de 2017 ⋅ 14:24

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tem usado sua cota parlamentar para custear viagens pelo país em que se apresenta como pré-candidato à Presidência em 2018. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, a cota reembolsa viagens e outras despesas do mandato dos parlamentares, mas o regimento interno da Câmara proíbe que os gastos sejam utilizados em 'caráter eleitoral'. Ainda de acordo com a publicação, nos últimos cinco meses, foram registradas ao menos seis viagens em que Bolsonaro tratou publicamente de sua intenção de concorrer ao Planalto. Ao todo, foram custeadas pela Câmara viagens que somam R$ 22 mil.

Em resposta, o deputado nega estar em campanha e atribui as viagens à participação na Comissão de Segurança Pública da Câmara –onde é suplente. Em novembro, foram gastos pela Câmara R$ 2.500 para Bolsonaro ir ao Recife, onde deu palestra na Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados, onde foi apresentado como 'futuro presidente do Brasil, o nosso mito' pelos organizadores do evento. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que 'vamos ganhar em 2018, porque somos a maioria no Brasil, homens de bem'.

Por meio de nota, o chefe de gabinete do deputado Jair Bolsonaro, Jorge Francisco, negou à Folha que o deputado esteja em campanha ou pré-campanha eleitoral 'seja para qual cargo for', afirmando que as despesas ressarcidas pela Câmara 'foram realizadas em consonância com os preceitos legais e regimentais', 'o que reforça a tese de que tais 'denúncias' somente têm o condão de tentar incluir o nome do deputado em atos supostamente escusos, diante da enxurrada de notícias de corrupção envolvendo outros políticos'.

Notícias relacionadas