Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

TCU isenta Dilma por suposta irregularidade na compra de refinaria em Pasadena

Auditores do Tribunal de Contas da União (TCU) isentaram o Conselho de Administração da estatal, à época presidido por Dilma Rousseff, de ter cometido qualquer “ato de gestão irregular” no episódio envolvendo a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras, em 2006. A tomada de contas foi realizada na última segunda-feira (28). [Leia mais...]

[TCU isenta Dilma por suposta irregularidade na compra de refinaria em Pasadena]
Foto : Marcos Oliveira/Agência Senado

Por Matheus Simoni no dia 29 de Agosto de 2017 ⋅ 12:08

Auditores do Tribunal de Contas da União (TCU) isentaram o Conselho de Administração da estatal, à época presidido por Dilma Rousseff, de ter cometido qualquer “ato de gestão irregular” no episódio envolvendo a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras, em 2006. A tomada de contas foi realizada na última segunda-feira (28). O TCU traça um histórico do que é considerado o pior negócio já fechado na história da estatal. Segundo a coluna Painel do jornal Folha de S. Paulo, o caso deve ser avaliado pelo plenário da corte nesta quarta-feira (30).

O tribunal já havia isentado Dilma de responsabilidade no episódio em 2014. Desde então, porém, Nestor Cerveró, que conduziu o negócio dentro da estatal, e o ex-senador Delcídio do Amaral fecharam acordos de delação premiada com a Lava Jato e disseram que a ex-presidente chancelou o negócio sabendo de todos os seus problemas. O relatório dos analistas do TCU e do Ministério Público de Contas contraria a versão dos delatores.

A polêmica começa em 2006, quando a Petrobras fez o pagamento de US$ 360 milhões por metade da refinaria de Pasadena, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, adquirida um ano antes pela empresa belga Astra Oil por US$ 42,5 milhões.

Notícias relacionadas