Política

Janot diz que entrega dos novos áudios pela J&F foi uma "casca de banana"

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot afirmou que os novos áudios gravados pelos delatores do grupo J&F, proprietário do frigorífico JBS, não foram enviados à Procuradoria-Geral da República por engano. De acordo com ele, tratou-se de uma "casca de banana".[Leia mais...]

[Janot diz que entrega dos novos áudios pela J&F foi uma
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 20 de Setembro de 2017 ⋅ 17:25

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot afirmou que os novos áudios gravados pelos delatores do grupo J&F, proprietário do frigorífico JBS, não foram enviados à Procuradoria-Geral da República por engano. De acordo com ele, tratou-se de uma "casca de banana".

Os audios contêm conteúdo que pode anular o acordo dos executivos Joesley Batista e Ricardo Saud e fizeram com que Janot pedisse abertura de inquérito ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar suposta ocultação nas delações. Em uma das gravações, com cerca de quatro horas, Batista e Saud falam sobre suposta atuação do então ex-procurador da República Marcello Miller em fechamento da colaboração com a PGR.

"Na leitura que fizemos, isso (entrega de áudios indicando omissão de informações aos procuradores) não poderia ter sido um equívoco, foi uma casca de banana mesmo. O ministro (Edson) Fachin (relator da Lava Jato no STF) lacrou os 11 áudios, nem nós conhecemos. Eles, com medo de um dos 11 áudios ser um dos que estão recuperados pela polícia, colocaram um jabuti. Lá na frente, quando estourasse o negócio, diriam que entregaram e nós ficamos calados. É óbvio que foi uma armadilha. E como desarma uma armadilha? Coloca luz sobre ela. Santa Carol (procuradora Ana Carolina Rezende)!", contou Janot ao jornal Correio Braziliense.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo