Política

Em depoimento, Funaro diz que entregou R$ 100 mil em propina nas mãos de ex-presidente da Câmara

O doleiro Lúcio Bolonha Funaro afirmou nesta sexta-feira (27) que entregou ao menos R$ 100 mil em dinheiro vivo de propina ao ex-deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), quando ele presidiu a Câmara, em 2013. [Leia mais...]

[Em depoimento, Funaro diz que entregou R$ 100 mil em propina nas mãos de ex-presidente da Câmara]
Foto : Cristina Gallo/Agência Senado

Por Luiza Leão no dia 27 de Outubro de 2017 ⋅ 18:05

O doleiro Lúcio Bolonha Funaro afirmou nesta sexta-feira (27) que entregou ao menos R$ 100 mil em dinheiro vivo de propina ao ex-deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), quando ele presidiu a Câmara, em 2013. O depoimento de Funaro ao juiz Vallisney de Souza Oliveira ocorreu na 10ª Vara Federal de Brasília.

Funaro e Alves são réus na ação penal da Operação Sépsis, que investiga desvios no Fundo de Investimentos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviços (FI-FGTS), operado pela Caixa Econômica Federal. Também são réus na mesma ação o deputado cassado Eduardo Cunha e o ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Fabio Cleto, além de Alexandre Margoto, ex-funcionário de Funaro.

\"Entreguei para ele mesmo, nas mãos dele, em São Paulo\", disse Funaro ao juiz. \"Foram R$ 100 mil ou R$ 150 mil, tem que puxar na planilha\", acrescentou. O operador assinou acordo de delação premiada com a Justiça.

Lúcio Funaro disse ainda que emprestou o seu avião particular para transportar uma mala de R$ 5 milhões, dinheiro que seria utilizado para financiar a campanha de Alves a governador do Rio Grande do Norte, em 2014.

Os recursos teriam origem no pagamento de propina pela \"Eldorado Celulose\", empresa que integra o grupo J&F, que tem como um dos donos o empresário Joesley Batista.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo