Política

Indicado por Dilma ao STF se defende de acusação de exercer advogacia privada

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Juliana Almirante no dia 11 de Maio de 2015 ⋅ 14:16

Indicado pela presidente Dilma Rousseff (PT) para vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), o jurista Luiz Edson Fachin se defendeu, em vídeo publicado na internet, às acusações de que exerceu advocacia privada enquanto era procurador do Paraná, entre 1990 e 2006. O nome de Fachin ainda deve ser aprovado em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, marcada para esta semana, e depois pelo plenário da Casa. 

No vídeo, Fachin explica que, quando ele fez o concurso para procurador, uma lei complementar no Paraná permitia a simultaneidade do cargo de procurador com a advocacia privada. "Não houve nenhuma irregularidade no período em que, com honra, eu atuei na condição de procurador do estado do Paraná, no período de 1990 a 2006, quando deixei os quadros da procuradoria", disse.

Notícias relacionadas

[Alexandre de Moraes toma posse como ministro do TSE]
Política

Alexandre de Moraes toma posse como ministro do TSE

Por Luciana Freire no dia 02 de Junho de 2020 ⋅ 18:48 em Política

Autoridades participaram da cerimônia de posse por videoconferência, entre elas, o presidente Jair Bolsonaro; mandato no cargo é de dois anos

[Filha de Queiroz se diz 'professora antifascista']
Política

Filha de Queiroz se diz 'professora antifascista'

Por Luciana Freire no dia 02 de Junho de 2020 ⋅ 14:40 em Política

Nathália foi assessora de Flávio Bolsonaro e do então deputado Jair Bolsonaro; ela é investigada por possível participação em esquema de rachadinhas de Flávio