Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

‘Por ser candidato ao Senado, cortaram credenciamento da UTI do meu hospital’, acusa Jorge Vianna

Postulante do MDB disse ainda apostar que opositores serão presos pelas PF após eleição

[‘Por ser candidato ao Senado, cortaram credenciamento da UTI do meu hospital’, acusa Jorge Vianna]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Alexandre Galvão / Gabriel Nascimento no dia 24 de Setembro de 2018 ⋅ 09:17

Postulante ao Senado pelo MDB da Bahia, Jorge Vianna disse ser perseguido pelo governo. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, o médico disse que já amarga as consequências da candidatura. 

“Fui contra a ditadura o tempo todo. Só por ser candidato ao Senado, me cortaram o credenciamento da UTI do meu hospital. Estou te chamado atenção, pois as represálias acontecerão”, acusou. 

Para o emedebista, o estado de hoje é “a Bahia da mentira”. “Você tem um governador que vive mentindo. A ponte de Ilhéus está parando porque não tem dinheiro. Fizeram o Hospital do Cacau, fecharam o Hospital Regional. Não tem postos de saúde funcionando. O Hospital do Cacau estava devendo aos médicos cinco meses. O que vai acontecer depois da eleição, vocês se preparem. Essas pesquisas não são verdadeiras”, disse. 

Para o aspirante ao Congresso, o país poderia estar pior se não fosse a atuação Henrique Meirelles (MDB), ex-ministro da Fazenda e candidato à Presidência da República. “Tivemos Meirelles como ministro e, por isso, não estamos como a Argentina. A culpa não foi dele. A culpa foi do que fizeram”, declarou. 

Vianna ainda disse acreditar que todos os opositores serão presos após o pleito eleitoral. “Todos os meus adversários estão respondendo na Polícia Federal e vão ser presos. Wagner vai ter que provar onde estão os R$ 80 milhões da Fonte Nova. Os R$ 6 milhões do relógio de comissão. Ele que assinou o emprego da mulher dele no Tribunal de Justiça sem nem prestar concurso. Ele que assinou a aposentadoria dela, então, a maior vergonha. Se ele for preso, quem vai assumir, quem é o suplente dele? Pergunte às construtoras, presidente de sindicato, respondendo também por ter corrompido funcionários. Se Haddad foi eleito, tem uma outra do PCdoB [Manuela D’Ávila]. Se acontecer alguma coisa com ele, quem assume é o partido comunista, se é isso que você quer…”, ponderou.

Notícias relacionadas