Política

Especialista diz que derrota 'acachapante' do DEM na Bahia terá impacto em 2020

“Foi ele [ACM Neto] que fez essa aposta e recuou da iniciativa de concorrer ao governo do Estado”, diz Carlos Zacarias

[Especialista diz que derrota 'acachapante' do DEM na Bahia terá impacto em 2020]
Foto : Reprodução / Siga News

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 27 de Setembro de 2018 ⋅ 10:20

O historiador e professor da Universidade Federal da Bahia, Carlos Zacarias, avalia que a provável derrota “acachapante” do DEM na Bahia terá um impacto na eleição de 2020, quando o prefeito de Salvador, ACM Neto, vai tentar fazer o sucessor. 

Segundo pesquisa Ibope divulgada ontem (26), o candidato do DEM, José Ronaldo, tem 10% das intenções de votos contra 61% do governador e postulante à reeleição Rui Costa (PT). 

Para o especialista, o DEM “não tem muita margem para crescer por causa das características da candidatura de José Ronaldo”. "[Ele] não tem amplitude estadual. É uma liderança local em Feira de Santana. Também porque se meteu no governo de Michel Temer, que é altamente impopular", avaliou, em entrevista à Rádio Metrópole.

Para Zacarias, a eventual vitória de Rui traz o PT de volta à disputa na capital baiana. “O PT entra, de novo, na cena política no município de Salvador, já que perdeu as duas últimas eleições para ACM Neto, que se catapultou como uma liderança importante. O DEM colhe agora uma derrota acachapante que põe de volta no plano municipal o PT para disputar a prefeitura de Salvador. Essa derrota do DEM vai certamente impactar na eleição de 2020”, pontuou.

Na opinião do professor, uma eventual derrota do DEM baiano em 2018 será de ACM Neto. “Ele que colhe essa derrota. Foi ele que fez essa aposta e que recuou da iniciativa de concorrer ao governo do Estado. Ele percebeu que era um risco muito grande”, pontuou. "Se [ACM Neto] perder a Prefeitura de Salvador, seus planos realmente vão ficar muito difíceis para 2022. Imagine sem cargo no Executivo e sem nenhum cargo importante, a não ser o de presidente do DEM, que não é importante?", acrescentou. 

Notícias relacionadas