Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Primo de Beto Richa pede liberdade a Gilmar Mendes

Lava Jato afirma que Luiz Abi era o "caixa-geral" de arrecadação de propinas do grupo de Beto Richa

[Primo de Beto Richa pede liberdade a Gilmar Mendes]
Foto : Divulgação

Por Alexandre Galvão no dia 27 de Setembro de 2018 ⋅ 16:40

Primo de Beto Richa (PSDB), ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, Luiz Abi pediu habeas corpus ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. De acordo com o Estadão, ele não foi preso ainda, pois está no Líbano.

A Lava Jato afirma que Abi era o "caixa-geral" de arrecadação de propinas do grupo de Beto Richa. Os investigadores estimam que o grupo ligado ao ex-governador arrecadou cerca de R$ 55 milhões em propinas. No pedido ao ministro, o primo do tucano alegou que a ordem de prisão temporária é, na verdade, uma tentativa de "camuflar" uma condução coercitiva.

“A real intenção da medida não era acautelar a arrecadação de elementos probatórios, mas apenas camuflar sua tentativa de conduzir o requerente coercitivamente, expondo-o a vexame público injustificadamente, até porque lhe é constitucionalmente assegurado o direito de não prestar declarações às autoridades investigadoras”, afirma a defesa do primo.

Em dezembro do ano passado, a medida foi vetada em decisão liminar de Gilmar. Por 6 votos a 5, em junho deste ano, os ministros do STF derrubaram a condução coercitiva para interrogatório. Desde o veto à condução coercitiva para interrogatório, defensores têm alegado que juízes decretam prisão temporária para driblar a medida tomada pelo Supremo.

Notícias relacionadas