METROPOLE

Terça-feira, 18 de maio de 2021

Política

Jornalista da Folha diz que eleitor está diante de ‘plebiscito sobre a política tradicional’

“Eleição questionou muitos dos princípios que nós acreditávamos ser imutáveis: tempo de TV e a própria importância dos publicitários”, avalia Fábio Zanini

Jornalista da Folha diz que eleitor está diante de ‘plebiscito sobre a política tradicional’

Foto: Germano Assad / Ciji

Por: Rodrigo Daniel Silva/Gabriel Nascimento no dia 05 de outubro de 2018 às 12:00

O jornalista da Folha de S. Paulo, Fábio Zanini, disse, em entrevista à Rádio Metrópole, que o eleitor brasileiro vai ter no próximo domingo (7) um “plebiscito sobre a política tradicional”.

“Não só pelo PT, bastante sobre o PT, mas não só apenas. É sobre a forma de tradicional de fazer política. É uma eleição que questionou muito dos princípios que nós acreditávamos ser importantes, imutáveis: tempo de TV, a própria importância dos publicitários, dos marqueteiros. Sai muito chamuscado o perfil desses profissionais, porque Bolsonaro não tem marqueteiro que vem com discurso da moralidade, renovação. Ela é uma eleição muito baseada no carisma e personalidade do Bolsonaro. Acho que essa eleição vai deixar pelo caminho várias coisas que a gente acreditava na política, que vai ter que ser repensada”, avaliou.

Para ele, há a possibilidade de a eleição ser definida no primeiro turno. “Não acho que seja mais provável, mas é crescente. Bolsonaro está crescendo dois pontos por dia, mais ou menos. Ontem, no Datafolha, foram 39% dos votos válidos e faltam, portanto, 11 pontos para ele levar no primeiro turno. Não é fácil, mas lembro que em 2016, em São Paulo, João Doria, na sexta, estava com 38% e liquidou a fatura no dia da votação. Se Bolsonaro tiver crescido mais uns três ou quatro pontos, é capaz que, no último empurrãozinho, ele leve no primeiro turno”, ressaltou. “Embora Lula e Bolsonaro representem os extremos da política, são dois lideres carismáticos e falam diretamente com a população. Tem uma fatia do eleitorado que não tem problema em transitar entre Lula e Bolsonaro. A saída tardia de Lula, talvez, teve um efeito contrário do que ele imaginava”, pontuou.

O jornalista entende que o movimento do #Elenão contra Bolsonaro teve um efeito contrário, porque ficou um viés de confronto partidário. “[Ficou] entendido como um movimento da esquerda. Um movimento partidarizado, não da sociedade civil”, analisou. 

Zanini disse ainda ver semelhanças entre o capitão reformado e o presidente americano Donald Trump. “Há pontos de contato, acredito que não totalmente. Há diferenças. Trump tinha um partido bem tradicional em torno dele, Bolsonaro não tem. Mas é parecido no sentido de dar voz aos que não aparecem na imprensa, não têm mídia, não são intelectualizados”, salientou.

TV METRO

Entrevistas

Zé Cocá

Em 18 de maio de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Jornalista da Folha diz que eleitor está diante de ‘plebiscito sobre a política tradicional’ - Metro 1