Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Coronel quer 'evitar' que institutos divulguem pesquisas com 'resultados diferentes'

Senador eleitor pôs em dúvida as pesquisas que apontam a liderança de Jair Bolsonaro (PSL) na corrida presidencial

[Coronel quer 'evitar' que institutos divulguem pesquisas com 'resultados diferentes' ]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Alexandre Galvão/Rodrigo Daniel Silva no dia 19 de Outubro de 2018 ⋅ 08:33

O senador eleito e presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel (PSD), disse, em entrevista à Rádio Metrópole, que quer "evitar" que institutos de pesquisas divulguem levantamentos com "resultados diferentes".

Coronel reclamou de o Ibope, em todas as consultas, apontá-lo atrás do adversário Irmão Lázaro (PSC) na disputa pela Câmara Alta do Congresso Nacional. No resultado final, o chefe da AL-BA ficou em segundo lugar com diferença de 17% em relação ao cantor-político.

"Já vi que quem quer ser candidato na Bahia não pode se basear por instituto de pesquisas. No Senado, vou ver com meus colegas de que maneira a gente pode evitar que esses institutos de pesquisas fiquem nas vésperas das eleiçoes divulgando ressultados que não condiz com o dia seguinte", afirmou.

Coronel pôs em dúvida as pesquisas que apontam a liderança de Jair Bolsonaro (PSL) na corrida presidencial. "As pesquisas estão aferindo vitória de Bolsonaro, mas ninguém sabe se as pesquisas vão errar. Eu acho que Haddad é o nome mais indicado para a Bahia. Precisamos ter um presidente alinhado com o governador [Rui Costa]", ressaltou.

Notícias relacionadas

[Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro]
Política

Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:05 em Política

Em conversa com apoiadores, presidente ainda responsabilizou governo do Amazonas e prefeitura de Manaus pelo caos na saúde da capital: "Todo mundo me culpa. Tudo sou eu"