Política

Jean Wyllys diz acreditar em 'milagre' contra Bolsonaro 

Ele justificou ainda o fato de ter perdido quase 120 mil votos na eleição deste ano. Apontou as fake news e a multiplicação de candidaturas da esquerda como motivo

[Jean Wyllys diz acreditar em 'milagre' contra Bolsonaro ]
Foto : Divulgação

Por Alexandre Galvão no dia 22 de Outubro de 2018 ⋅ 18:43

Deputado federal reeleito pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys (PSOL) disse acreditar em um "milagre" contra a provável eleição do candidato a presidente Jair Bolsonao (PSL). De acordo com o Wyllys, "o país precisa acordar". 

"Eu sou baiano, pisciano e tenho formação cristã. Eu acredito em milagres. Acredito que algum milagre pode acontecer. O país ficará pior para todo mundo [com a eleição de Bolsonaro], o país precisa acordar para isso. Não entendo como as pessoas que passaram pela universidade querem votar no Bolsonaro. Quando uma pessoa pobre é enganada, você entende. Uma pessoa de classe média aderir a fake news, é por está se transformando em um monstro", classificou, em entrevista à Rádio Metrópole

Para o deputado, "não há comparação entre Bolsonaro e Haddad". "Não há nível de comparação entre Bolsonaro e Haddad. Haddad é democrático. Bolsonaro mentiu na bancada do Jornal Nacional, falou de um kit que nunca existiu. Ele atacou os homossexuais em diferentes momentos. ele disse que uma mulher não merecia ser estuprada pois era feia. Eu vou acreditar nesse sujeito pra dizer que vai ter 13º para Bolsa Família?", questionou. 

Ele justificou ainda o fato de ter perdido quase 120 mil votos na eleição deste ano. Apontou as fake news e a multiplicação de candidaturas da esquerda como motivo. "Vários fatores. O primeiro as fake news. Eu sou alvo prioritário de fake news. As fake news foram produzidas e estamos vendo aí o fenômeno nesse segundo turno, com grandes empresários colocando rios de dinheiro contra Haddad e Manuela. Eu sou candidato proporcional e não majoritário e esse mesmo poder econômico foi usado contra mim. Eu virei a figura de proa na defesa da democracia. Tem a ver [também] com multiplicação de votos da esquerda. Multiplicaram-se os de esquerda. Freixo divide comigo e teve o fenômeno Marielle Franco, que tem parte do meu eleitorado". 

Notícias relacionadas