Política

Bolsonaro avalia 'memes' que são postados em seus perfis

O presidente só autoriza o filho Carlos, vereador pelo PSC do Rio, e outros dois assessores a fazerem as postagens

[Bolsonaro avalia 'memes' que são postados em seus perfis]
Foto : Valter Campanato/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 10 de Abril de 2019 ⋅ 12:40

Embora tenha perdido popularidade nas pesquisas ao longo de três meses de governo, o presidente Jair Bolsonaro ganhou seguidores nas redes sociais. No Twitter, o número de pessoas que o acompanham saltou de 2,7 milhões para 3,9 milhões. No Instagram, foram quase três milhões de seguidores a mais. Grande parte disso se deve à atenção dedicada pelo chefe do Executivo nacional à criação de conteúdos para as redes.

De acordo com o Estadão, o próprio Bolsonaro se envolve na criação de memes (mensagens de compartilhamento rápido e maciço) e textos publicados nas suas redes sociais e nas páginas de seus familiares. Ele é responsável por avaliar propostas de memes apresentadas por auxiliares. A reportagem do jornal teve acesso a um áudio em que o presidente comenta a criação de uma dessas peças com um subordinado. “Tá muito bom. Pode mandar para suas redes que eu já mandei para os meus mais de cem grupos”, diz o presidente, na gravação. Em outro áudio, Bolsonaro critica o tamanho das letras de uma legenda usada em uma fotografia dele.

Após aprovação do presidente, os memes são disparados para grupos de WhatsApp e replicados nas redes sociais de Bolsonaro e de auxiliares. O presidente só autoriza o filho “02”, Carlos, vereador pelo PSC do Rio, e outros dois assessores a fazerem as postagens. Além disso, Bolsonaro mantém em atividade grupos criados ainda no tempo em que era deputado.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro tira Joice Hasselmann de liderança do governo ]
Política

Bolsonaro tira Joice Hasselmann de liderança do governo 

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Outubro de 2019 ⋅ 14:15 em Política

Joice foi escolhida líder do governo em fevereiro, pela indicação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)