Política

Após Bolsonaro interferir no reajuste do diesel, Guedes diz que 'uma conversa conserta tudo'

Depois da medida do presidente, Petrobras perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado

[Após Bolsonaro interferir no reajuste do diesel, Guedes diz que 'uma conversa conserta tudo']
Foto : Agência Brasil

Por Juliana Almirante no dia 13 de Abril de 2019 ⋅ 18:00

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou, neste sábado (13), que é possível “consertar” caso o presidente Jair Bolsonaro tome alguma decisão “que não seja razoável” na economia.

“Uma conversa conserta tudo”, declarou Guedes, um dia após Bolsonaro admitir que interferiu no reajuste de preços de diesel. O mandatário contou que telefonou para o presidente da Petrobras e pedir para cancelar o reajuste de 5,7% no preço do óleo diesel. Depois da medida, a empresa perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado.

Ontem (12), o ministro da Economia já tinha sugerido que não havia sido informado pelo presidente sobre a decisão. Questionado por jornalistas neste sábado, ele afirmou que Bolsonaro já afimrou que não é um especialista em economia. “O presidente já disse para vocês que ele não era um especialista em economia, então é possível que alguma coisa tenha acontecido lá. Ele, ao mesmo tempo, é preocupado com efeitos políticos, estamos falando em greve de caminhoneiro, esse tipo de coisa, então é possível que ele esteja lá tentando manobrar com isso”, disse Guedes.

“Ao mesmo tempo em que eu concordo com suas preocupações e indagações, eu acho que o presidente tem muitas virtudes. Fez muita coisa acertada, e ele já disse que não conhece muito economia. Se ele, eventualmente, fizer alguma coisa que não seja razoável eu tenho certeza que nós conseguimos consertar. Uma conversa conserta tudo”, completou.

Notícias relacionadas

[PSL deve suspender Eduardo Bolsonaro por críticas ao partido]
Política

PSL deve suspender Eduardo Bolsonaro por críticas ao partido

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Outubro de 2019 ⋅ 09:00 em Política

“Precisamos salvar o Brasil dos filhos do presidente”, disse o deputado Júnior Bozzella (SP), que é um dos principais porta-vozes do presidente da sigla, Luciano Bivar