Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Parecer na Comissão de Educação rejeita projeto contra ideologia de gênero em Salvador

Apresentada por Alexandre Aleluia (DEM), proposta já tem três votos contrários em comissão e volta a ser discutida na próxima semana

[Parecer na Comissão de Educação rejeita projeto contra ideologia de gênero em Salvador]
Foto : Ascom/ CMS

Por Juliana Almirante no dia 17 de Abril de 2019 ⋅ 11:40

O relator do projeto de lei contra a suposta "ideologia de gênero" na Comissão de Educação, Esporte e Lazer da Câmara de Salvador apresentou na tarde de terça-feira (16) parecer contrário à matéria.

De autoria do vereador Alexandre Aleluia (DEM), a proposta já havia sido aprovada pelas comissões de Justiça e de Finanças da Casa. 

Autor do parecer, o relator do PL no colegiado, Silvio Humberto (PSB), disse ao Metro1 ter questionado o uso do termo "ideologia de gênero".

"Essa ideia do estudo de gênero vem justamente para entender as várias configurações, para entender a diversidade e não ao contrário, como se estudar gênero fosse estimular as pessoas a serem héteros ou trans. A ideia do estudo é para entender as diferenças", afirmou. 

Marcos Mendes (PSOL) e Toinho Carolino (Podemos) já aprovaram o parecer, ou seja, se posicionaram contra o projeto. Na próxima terça-feira (23), o colegiado volta a se reunir e os demais integrantes do colegiado - o próprio Alexandre Aleluia, Teo Senna (PHS), Daniel Rios (MDB), Isnard Araujo (PHS) - devem apresentar seus votos.  

Projeto

Conforme o texto do projeto, Aleluia escreve que ele foi proposto diante "da necessidade da proteção das crianças e adolescentes à erotização precoce, principalmente aquela incentivada por quem segue cartilhas partidárias, sobrepondo o viés ideológico ao verdadeiro trato com esse público e sua formação”.

No parecer, além de contestar o uso do termo ideologia de gênero, Silvio Humberto justifica que a proposição ainda "visa cercear os direitos fundamentais a liberdade de expressão e manifestação do pensamento previstos na Constituição Federal" e "sofre de anomalia legislativa".

Notícias relacionadas