Política

Ex-secretário Albérico Mascarenhas fala sobre trajetória na administração pública

"Gostava da gestão pública, mas não em cargos eletivos", relatou, em entrevista à Rádio Metrópole

[Ex-secretário Albérico Mascarenhas fala sobre trajetória na administração pública]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Juliana Almirante no dia 07 de Maio de 2019 ⋅ 11:45

O ex-secretário da Fazenda do governo Paulo Souto, Albérico Mascarenhas, relembrou a trajetória na administração pública, em entrevista à Rádio Metrópole, nesta terça-feira (7). 

Albérico recorda que chegou ao posto de subscretário da pasta no ano de 1996 e depois foi convidado para assumir a secretaria. "Para mim foi uma surpresa porque eu não tinha 'Q.I.' e foi uma questão meramente técnica", afirmou.

Ele disse que, quando sua candidatura à prefeitura de Salvador começou a ser cogitada, ele não tinha interesse de tentar um cargo eletivo. "Foi um projeto pessoal e eu não queria entrar em política partidária. Gostava da gestão pública, mas não em cargos eletivos", explica. 

Sendo assim, Albérico acabou indo para a iniciativa privada. "Comecei projetos na área financeira, depois fui para São Paulo. Aí segui esse período todo como consultor de empresas de grande porte", conta.

Ele afirma que teve como um dos principais modelos na política o também ex-secretário Rodolpho Tourinho, que ocupava a chefia da pasta quando Albérico já era servidor.

"Minha referência maior sempre foi Rodolfo Tourinho", lembra. Ele relembra que a relação entre os dois começou quando Rodolpho questionou um trabalho feito por Albérico, que foi chamado pelo chefe para explicar.

Depois de passar a noite estudando o assunto, Albérico foi cedo na secretaria para apresentar o trabalho a Rodolpho. Horas depois, o chefe concluiu que o trabalho não estava errado, mas tinha um perfil diferente do que queria. "Aí começou uma relação muito próxima", conta. 

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão