Política

‘Reforma da previdência é inerte para déficit previdenciário baiano’, diz Rui Costa

Governador reforçou que o Congresso deve analisar novas fontes de financiamento para os estados

[‘Reforma da previdência é inerte para déficit previdenciário baiano’, diz Rui Costa]
Foto : Camila Peres / Governo da Bahia

Por Metro1 no dia 26 de Junho de 2019 ⋅ 18:23

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), esteve no Congresso Nacional para buscar alternativas à situação do déficit da previdência. Nesta quarta-feira (26), em Brasília, após reunião com os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), além de governadores do Nordeste, Rui reforçou que o Congresso deve analisar novas fontes de financiamento para os estados. 

“O atual texto é inerte, não traz nenhum benefício aos estados do ponto de vista fiscal e previdenciário. Eu diria que nem arranha o déficit previdenciário, pois alcança apenas a previdência geral e a União”, afirmou o governador ao expor os cálculos da Bahia. 

Segundo o governador, o déficit anual da previdência estadual é R$ 5 bilhões. Se a reforma da previdência for aprovada como está atualmente, a economia na Bahia seria de 1% da dívida previdenciária. “Eu rodei a folha, simulei o que está para ser votado e a economia foi de 47 milhões, o que representa 1%. Com isso, vamos resolver o quê?”, questionou Rui. 

De acordo com o petista, entre os pontos que dão alívio real aos estados estão as receitas vindas a partir da cessão onerosa e/ou royalties do petróleo e o aumento do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do Fundo de Participação dos Municípios. (FPM). “São projetos que tramitam nas Casas e que estamos pedindo que sejam pautados para ajudar estados e municípios a financiarem suas previdências”.

Notícias relacionadas