Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Carlos Bolsonaro presta depoimento e revela discussão com assessor de Marielle

Filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o edil declarou, no dia 26 de abril do ano passado, pouco mais de um mês após o crime, uma troca de acusações na Câmara do Rio

[Carlos Bolsonaro presta depoimento e revela discussão com assessor de Marielle]
Foto : Renan Olaz/CMRJ

Por Matheus Simoni no dia 30 de Outubro de 2019 ⋅ 08:38

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) prestou depoimento à Polícia Civil e disse que teve uma discussão com um assessor da vereadora da Marielle Franco (PSOL), no corredor do nono andar da Câmara Municipal do Rio. As informações são do portal UOL. Filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o edil declarou, no dia 26 de abril do ano passado, pouco mais de um mês após o crime, ao delegado Giniton Lages, então titular da Delegacia de Homicídios do Rio a troca de acusações. 

Os gabinetes de Carlos e Marielle eram vizinhos no nono andar da Câmara. No depoimento, Carlos afirmou que um assessor da psolista dava entrevista a uma emissora espanhola e o chamou "fascista" quando ele passava pelo corredor. 

O filho do presidente declarou que questionou o funcionário oposicionista o motivo da agressão verbal. Ainda segundo o vereador, a própria Marielle "intercedeu para acalmar os ânimos, encerrando a discussão". Ele não informou a data em que o bate-boca aconteceu. O vereador disse ainda que mantinha um relacionamento "respeitoso e cordial" com Marielle, apesar das divergências políticas. Ele afirmou ter ficado sabendo do assassinato da vereadora pela imprensa.

Na edição de ontem do Jornal Nacional, da TV Globo, a emissora divulgou uma menção nominal ao presidente da República no inquérito do duplo homicídio da vereadora e do motorista dela, Anderson Gomes, ocorrido em 14 de março de 2018. 

De acordo com o telejornal, a simples citação ao nome do mandatário pode levar o caso a ser investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), devido ao foro por prerrogativa de função. 

Notícias relacionadas