Política

‘Novo presidente da Fundação Palmares é legalmente incompatível com o cargo’, diz Edvaldo Brito

O vereador afirma que a nomeação de Sérgio Nascimento de Camargo deve ser levada à Justiça

[‘Novo presidente da Fundação Palmares é legalmente incompatível com o cargo’, diz Edvaldo Brito]
Foto : Matheus Simoni/Metropress

Por Lara Curcino no dia 02 de Dezembro de 2019 ⋅ 15:36

O professor, jurista e vereador de Salvador Edvaldo Brito (PSD) afirmou hoje (2), ao Metro1, que o novo presidente da Fundação Cultural Palmares, o militante de direita e jornalista Sérgio Nascimento de Camargo, é legalmente “incompatível com o cargo que vai exercer”. 

Camargo, cuja nomeação foi publicada no último dia 27 no Diário Oficial da União, já afirmou que o “racismo real” não existe no Brasil, que a escravidão foi “benéfica para os descendentes” e que o movimento negro precisa ser “extinto”. O órgão assumido por ele tem como responsabilidade promover a cultura afro-brasileira. 

“As declarações dele são, do ponto de vista jurídico, incompatíveis com o cargo que ele vai exercer e com os objetivos do órgão que ele vai presidir. O órgão foi feito para dar possibilidade do governo exercer o Estado democrático de direito, em que a Constituição fala em igualdade”, afirmou o ex-prefeito de Salvador.

Edvaldo ainda afirmou que a nomeação do jornalista deve ser analisada na Justiça. “Para que existe a Fundação Palmares? Para dar emprego a ele? Para ele ficar mamando na teta do Estado com um emprego que não corresponde ao o que ele pensa? O órgão existe para a inclusão social do negro e ele é contrário a esse objetivo. Essas coisas deveriam ser levadas para a Justiça, para que possa ser atestada a incompatibilidade legal dele com o cargo”, declarou.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo