Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

'Um voto na descida aos infernos', diz Muniz Sodré sobre eleição de Bolsonaro

Sociólogo explica que está ocorrendo uma espécie de "loucura coletiva", com retorno de ideias ultrapassadas, violência e desejo do mal

['Um voto na descida aos infernos', diz Muniz Sodré sobre eleição de Bolsonaro]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Juliana Almirante no dia 04 de Dezembro de 2019 ⋅ 08:58

O sociólogo e jornalista Muniz Sodré classificou o governo do presidente Jair Bolsonaro como uma" descida Aos infernos", que foi viabilizada pela eleição do ano passado, com o voto da população brasileira.   

"Essa descida aos infernos participamos dela, indiretamente, quando votamos. Foi um voto no mal nas últimas eleições. Um voto na descida aos infernos e estamos vendo resultado disso", declarou, em entrevista à Rádio Metrópole hoje (4).

Ele explica que está ocorrendo uma espécie de "loucura coletiva", com retorno de ideias ultrapassadas, violência e desejo do mal. 

"O louco não é aquele que não tem razão, é aquele que quer ter razão demais. Só que essa outra razão, que é excessiva, é a loucura. A razão é sempre um consenso entre as pessoas. quando a razão é absolutista, é desequilibradora, é potência destrutiva. (...) Essa loucura como sistematização social com a destruição de instituições, essa loucura é perigosa. É o que estou chamando de descida aos infernos", justifica. 

Para Sodré, o governo Bolsonaro é marcado pelo ataque às instituições, diferentemente do regime militar, que perseguia pessoas consideradas subversivas. 

"Cada pessoa colocada em cada órgão de controle e cultura desse tem cavado um abismo nos próprios pés. Cada pessoa ataca aquilo que é nomeado com a missão de defender. O ministro da Educação. Não ataca os professores diretamente, ele ataca a própria educação. o encarregado da Cultura ataca a cultura. É diferente do regime militar, que cassava determinados professores que achavam que eram comunistas e subversivos. Eram determinados individuos. Agora não, é a prórpria instituição que é atacada", avalia. 

Notícias relacionadas