Política

Bolsonaro aposta em associação de protestos contra governo a métodos violentos

Em live, presidente disse que manifestantes contrários são 'marginais' e 'viciados'

[Bolsonaro aposta em associação de protestos contra governo a métodos violentos]
Foto : Marcos Corrêa/PR

Por Matheus Simoni no dia 05 de Junho de 2020 ⋅ 07:50

O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) avalia uma estratégia para ligar manifestações contra seu governo à marginalidade e terrorismo. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, enquanto setores da sociedade civil organizam uma marcha com discurso contra o governo, o chefe do Executivo prepara com aliados para diferenciar os atos aos de apoiadores.

Diferente das manifestações favoráveis, que conta com movimentos pacíficos, a oposição adota métodos violentos, na avaliação da ala governista. Ainda segundo a publicação, seus auxiliares aguardam com expectativa as manifestações de domingo para aferir o tamanho da oposição nas ruas. 

Bolsonaro destinou sua live da noite de ontem (4) para criticar os manifestantes que se denominam antifascistas e a, novamente, pedir que seus apoiadores não saiam às ruas neste domingo (7), como fazem todos os finais de semana.

"Domingo, o pessoal de verde e amarelo, que é patriota, que pensa no seu país, que é conservador, esses que trabalham, que são liberais, que acreditam que o Brasil pode ficar melhor pelo trabalho... Não é ficar em casa, não. Não vá, não compareçam a esse movimento, que esse pessoal não tem nada a oferecer para nós. Bando de marginais. Muitos ali são viciados. Outros ali têm costumes que não condizem com a maioria da sociedade brasileira. Eles querem o tumulto, querem o confronto", disse o presidente.

Bolsonaro também aconselhou que os pais controlem seus filhos e não os deixem participar das manifestações contrárias a seu governo. "Agora, não vou dar conselho para pai nenhum, porque eu sou pai. Filho da gente pode errar. Mas, quem for possível exercer o controle em cima dos filhos, exerça para não deixar o filho participar de um movimento como esse. Alguns vão dizer que eu estou cerceando a liberdade... Isso não é liberdade de expressão, o cara vai para o quebra-quebra. E vai ter muito garoto desse usado como massa de manobra, idiota útil. Vai estar lá a comando de um agitador profissional. Fez curso fora do Brasil. Olha o que fizeram no Chile", declarou. 

Notícias relacionadas