Política

Quebra de sigilo da 'rachadinha' atinge ex-assessores de Carlos Bolsonaro, agora sem foro

Quatro ex-funcionários que são alvos da investigação trabalharam tanto no gabinete de Carlos, na Câmara Municipal, como no de Flávio, na Alerj, entre 2007 e 2018

[Quebra de sigilo da 'rachadinha' atinge ex-assessores de Carlos Bolsonaro, agora sem foro]
Foto : Caio Cesar / CMRJ

Por Metro1 no dia 08 de Julho de 2020 ⋅ 12:17

Quatro ex-assessores do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), alvo de uma investigação agora sem foro especial, tiveram os sigilos bancário e fiscal quebrados na apuração sobre a suposta “rachadinha” no gabinete de seu irmão, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Segundo a Folha, todos trabalharam tanto no gabinete de Carlos, na Câmara Municipal, como no de Flávio, na Assembleia Legislativa, no período da quebra autorizada pelo juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal. O intervalo de 2007 a 2018 foi definido com base no tempo em que o policial militar aposentado Fabrício Queiroz, apontado como operador da “rachadinha”, esteve lotado no gabinete do senador.

Os ex-assessores são: a fisiculturista Andrea Siqueira Valle, ex-cunhada do presidente Jair Bolsonaro, Claudionor Gerbatim de Lima, Marcio da Silva Gerbatim (sobrinho e ex-marido da mulher de Queiroz, Marcia Aguiar, atualmente foragida) e Nelson Alves Rabello.

De posse dos dados financeiros dos quatro, os investigadores do caso Flávio já têm informações sobre a existência ou não de movimentação financeira suspeita no período em que os quatro estiveram lotados no gabinete de Carlos.

Eventuais suspeitas sobre as movimentações durante esse período podem ampliar o escopo da investigação sobre Carlos, atualmente focada na existência de funcionários fantasmas.

Notícias relacionadas