Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Rádio Metropole

/

Nos últimos 30 dias, Academia de Letras da Bahia já foi invadida três vezes, revela administrador da sede

Rádio Metropole

Nos últimos 30 dias, Academia de Letras da Bahia já foi invadida três vezes, revela administrador da sede

A Rádio Metropole conversou com o administrador da Academia de Letras da Bahia, Augusto Barreto, após a sede ser invadida na última sexta-feira (13)

Nos últimos 30 dias, Academia de Letras da Bahia já foi invadida três vezes, revela administrador da sede

Foto: Metropress

Por: Metro1 no dia 16 de abril de 2024 às 09:37

Atualizado: no dia 16 de abril de 2024 às 10:10

A sede da Academia de Letras da Bahia (ALB), no bairro de Nazaré, foi arrombada na madrugada da última sexta-feira (12). O caso ganhou repercussão na última segunda-feira (15), após o presidente da instituição, Ordep Serra, divulgar um vídeo denunciando o ocorrido e mostrando o prejuízo, que gira em torno de R$ 8 mil. O episódio, no entanto, não é o primeiro enfrentado pela acadêmia. Só no último mês, a administração já contabilizou três invasões.

Nesta terça-feira (16), o Repórter Metropole esteve na sede da ALB e conversou com o administrador da casa, Augusto Barreto, sobre o ocorrido. "Na região, estamos sofrendo bastante com a ação de meliantes que furtam, roubam e vêm atacando a casa repetidas vezes. Nos último 30 dias, sofremos mais de três vezes com invasões e furtos", afirmou o administrador.

Barreto explicou que a sede possui um sistema de alarme amplo que detecta qualquer movimento, por isso, apesar de algumas invasões e dos criminosos entrarem na casa, não conseguem roubar e fogem antes de serem capturados. "Dessa vez, levaram uma TV, uma câmera Meets para reunião online, o pedestal da câmera e o que sobrava da iluminação da área externa do jardim, refletores, fios, suportes, tudo que era de metal, coisas de pequeno valor para eles, mas que para casa representam prejuízo grande", relatou.

Segundo Augusto Barreto, dessa vez houve um comportamento diferente dos criminosos. "Normalmente o morador de rua não tem instrumento e dessa vez usaram alguns equipamentos para arrombar as portas e cadeados, fugindo do padrão", pontuou.

Segundo o administrador, os roubos e furtos retiram as coisas de baixo valor, fiação enterrada, desenterram a fiação para pegar fio, lâmpada, refletor. "Nota-se que são pessoas com baixo conhecimento e em busca de qualquer coisa de valor, nada pode ficar aparente, qualquer objeto em evidência é automaticamente é subtraído", complementa.

Confira a entrevista na íntegra: