Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Saúde

STF determina que Anvisa apresente análises da vacina Sputnik V

Determinação foi feita pelo ministro Ricardo Lewandowski, que usará dados para decidir sobre pedido feito pelo governo da Bahia

[STF determina que Anvisa apresente análises da vacina Sputnik V ]
Foto : Divulgação

Por Gabriel Amorim no dia 20 de Janeiro de 2021 ⋅ 15:20

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, determinou na manhã de hoje (20) que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apresente os resultados das análises feitas para responder ao pedido de uso emergencial da vacina Sputnik V, desenvolvida pela Rússia para o combate à Covid-19. 

Depois da Anvisa negar o pedido de uso emergencial para o imunizante, o ministro do STF usará os resultados da análise feita pela agência reguladora para decidir sobre o pedido feito pelo governo da Bahia. O estado solicitou autorização para importar e distribuir as vacinas mesmo sem a autorização da Anvisa. A Procuradoria Geral do Estado argumenta que a autorização deve ser dada a imunizantes que já tenham o aval de autoridades sanitárias estrangeiras e a certificação da Organização Panamericana de Saúde (Opas), como é o caso da Sputnik V.

A Sputnik V já foi aprovada para uso emergencial em países como Argentina, Bolívia, Venezuela e Paraguai. No Brasil, o imunizante deve ser produzido pela farmacêutica União Química, que pretende produzir a vacina russa para a demanda interna e para a venda a outros países da América Latina. A empresa entrou com pedido para uso emergencial de 10 milhões de doses que viriam direto da Rússia. A Anvisa recusou a solicitação, e justificou que apenas vacinas com estudos clínicos em andamento no Brasil podem ter essa autorização, o que ainda não é o caso do imunizante russo. 

Outra negativa da Anvisa diz respeito ao início dos testes clínicos para a Sputnik V no país, por faltarem informações que devem ser fornecidas pelo laboratório que irá produzir o imunizante. O governo da Bahia assinou em agosto de 2020 um acordo com o Fundo Soberano Russo, que administra o desenvolvimento da vacina, para o fornecimento de 50 milhões de doses.

Notícias relacionadas