Saúde

Hemoba convoca doadores de sangue após queda de estoque durante São João

O diretor-geral da Hemoba José Raimundo informou, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (25), que o estoque de sangue atual do órgão é insuficente para o crescimento da demanda, já que, durante o São João, aumenta o número de feridos em acidentes nas estradas. [Leia mais...]

[ Hemoba convoca doadores de sangue após queda de estoque durante São João]
Foto : Elói Corrêa/ GOV BA

Por Juliana Almirante no dia 25 de Junho de 2015 ⋅ 08:25

O diretor-geral da Hemoba José Raimundo informou, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (25), que o estoque de sangue atual do órgão é insuficente para o crescimento da demanda, já que, durante o São João, aumenta o número de feridos em acidentes nas estradas. “Nos bancos de sangue de uma forma geral, não só na Bahia como no mundo todo, houve redução do número de doadores. Nesse período de feriado, tem muitos acidentes e os doadores ficam ocupados com a diversão”, conta.

Ele considera que, apesar de a campanha que antecedeu os festejos juninos ter conseguido aumentar em 10% as doações, o estoque segue insuficiente. “O número de doadores na Bahia ainda é muito pequeno. A Hemoba coleta em torno de 100 mil bolsas por ano”, afirma. Para realizar doação, a pessoa precisa ter entre 18 e 55 anos, estar bem alimentada e com boa saúde. É necessário também apresentar documento oficial com foto para cadastro. O doador passa ainda por triagem com um médico, para verificar e atestar a possibilidade de doação.
 
 Grávidas, pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue e tiveram diagnóstico de hepatite, após os 11 anos, não podem doar. Mais informações podem ser encontradas no site da  Hemoba (http://www.saude.ba.gov.br/hemoba/).

Notícias relacionadas

[Coronavírus: OMS suspende teste com hidroxicloroquina]
Saúde

Coronavírus: OMS suspende teste com hidroxicloroquina

Por Kamille Martinho no dia 25 de Maio de 2020 ⋅ 13:22 em Saúde

A decisão foi anunciada pelo diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, depois da revista The Lancet publicar um estudo sobre os riscos do remédio