Saúde

“Não há corte de insalubridade na saúde", diz corregedor da Saeb

O corregedor-geral da Secretaria de Administação do Estado (Saeb) Luiz Henrique Brandão explicou em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta segunda-feira (20), porque a greve de servidores da Saúde foi considerada ilegal pela Justiça.

[Imagem not found]
Foto : Carlos Américo/Foco Filmes

Por Juliana Almirante no dia 20 de Julho de 2015 ⋅ 10:15

O corregedor-geral da Secretaria de Administação do Estado (Saeb) Luiz Henrique Brandão explicou em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta segunda-feira (20), porque a greve de servidores da Saúde foi considerada ilegal pela Justiça. Segundo ele, uma das reclamações da categoria, o suposto “corte” do adicional de insalubridade, tem respaldo legal.

“Não há corte de insalubridade, apenas regularização, por força da legislação em vigor e dos órgãos de controle do estado. A legalidade da greve em função de ter a motivação de insalubridade não tem fundamento porque a obrigação do gestor é regularizar medidas em desconformidade com a legislação”, argumentou. Com a determinação de ilegalidade da paralisação, o sindicato dos servidores da Saúde (Sindsaúde) pode pagar multa diária de R$ 50 mil caso os trabalhadores não retornem às atividades. 

Notícias relacionadas

[Bahia tem 2,9 casos de Covid-19 a cada 100 mil habitantes]
SaúdeCORONAVÍRUS

Bahia tem 2,9 casos de Covid-19 a cada 100 mil habitantes

Por Juliana Rodrigues no dia 07 de Abril de 2020 ⋅ 11:40 em Saúde

Segundo o secretário Fábio Vilas Boas, estado é o 13º no ranking e está abaixo da média nacional, que é de 5,5 casos por 100 mil habitantes