Turismo

Vale do São Francisco é destino para os amantes do vinho

Durante o passeio, dá para visitar plantações de uva e provar os vinhos produzidos na região

[Imagem not found]
Foto : NaBahia

Por NaBahia no dia 10 de Outubro de 2017 ⋅ 07:45

 

Apesar do solo árido e do clima seco, onde só chove cerca de 400 mm por ano, o sertão baiano e pernambucano se tornaram um dos maiores produtores de vinho do país. A região, incrustada na caatinga passou a receber turistas interessados em conhecer como se dá a produção da bebida que mudou a cor do sertão para tons mais próximos à cor de uva graças à irrigação controlada feita captando água de um dos mais importantes rios brasileiros, o São Francisco, nosso Velho Chico. A zona onde se encontra a rota de vinhos, o Vale do São Francisco, fica na divisa entre Bahia e Pernambuco, na região próxima a Juazeiro.

A região produz 15% do vinho vendido pelo Brasil, sendo a segunda em produção de vinhos finos. Um dos trunfos é o fato de que, como não temos as estações do ano bem definidas por aqui, as vinículas não estão sujeitas a intempéries, como a neve ou ventanias. Por conta disso, o Vale do São Francisco é o único no mundo que produz 2 safras e meia por ano.  

Outra coisa que garante essa produção tão intensa é o fato de que a zona onde as uvas são cultivadas recebe mais de três mil horas de sol por ano. Por conta disso, o vinho daqui é mais doce que o de outros lugares. Mas isso não é nada ruim, pelo contrário. A bebida produzida aqui está entre as melhores do mundo. Isso em mais de 500 mil hectares de vinhedos entre as cidades de Petrolina, Lagoa Grande, Santa Maria da Boa Vista (PE) e Casa Nova (BA). É importante lembrar que as fazendas não ficam exatamente nas sedes, então é importante ter carro (ou alugar um ou ir de táxi) para poder chegar nelas.

 

É na cidade baiana que fica a vinícola Terranova, do Grupo Miolo. Ela produz dois milhões de litros de vinhos e espumantes e é um dos destaques do roteiro do enoturismo no Vale e que recebe cerca de 2 mil turistas por mês. A Terranova, com 200 hectares, fabrica vinhos varietais, como o Syrah Testardi, que ficam 12 meses em barris franceses, por exemplo.

Para visitar a vinícola é bem fácil. É só tomar o Vapor do Vinho. Nesse pacote dá para conhecer o primeiro vapor a navegar pelo Rio São Francisco, ver a estátua de João Gilberto e seguir para a Terranova pela estrada, para visitar os parreirais e conhecer todo o processo de produção de vinhos, espumantes e sucos de uva. O passeio também passa pela barragem de Sobradinho, um dos maiores lagos artificiais da América do Sul e custa R$ 145 por pessoa. No entanto é possível visitar apenas a Terranova, pagando R$ 10, agendando com a própria vinícola. Isso garante uma aula de degustação e uma passagem pela loja. Para agendar visita, basta ligar (74) 3536-1132; a vinícola fica na BR 235, Km 40, Santana do Sobrado.

 

Uma vez na região vale a pena visitar outras vinícolas. Uma delas é a Santa Maria, que fica do outro lado do rio, já em Pernambuco. Apenas R$ 10 garante o passeio por vinhedos, visita à adega e degustação de vinhos e espumante da empresa. Se escolher fazer um almoço regional completo com peixes e carneiro, terá que pagar R$ 90. A vinícola fica na Fazenda Planaltino, Rodovia PE-574, Km 8 Estrada da Uva e do Vinho em Lagoa Grande (PE). Para agendar, acesse http://vinibrasil.com.br/2014/enoturismo/ ou ligue (87) 3869.9410/9385.

Dá para visitar também a Vinícola Bianchetti, uma das primeiras no Vale do São Francisco. Sua produção não ultrapassa os 50 mil litros por ano e é possível que você nem encontre videiras em produção durante o passeio, que custa R$ 10. Mas dá para aprender o processo de produção de vinho e ainda provar os rótulos da vinícola. Para agendar uma visita, é só ligar para (81) 4042-0008 ou mandar e-mail para [email protected] A fazenda fica na Estrada dos Vermelhos, Zona Rural, S/N, Lagoa Grande (PE). 

 

Outra que pode ser visitada é a Garziera, que foi a primeira, de fato, a apostar no potencial do Vale do São Francisco como produtor de vinho. Nela dá para visitar os parreirais, a área do desengace, onde se separa a uva do cacho e degustar os rótulos da fazenda e o suco da casa. Para isso é só pagar R$ 15. Para agendar, ligue (87) 3869-9667. A vinícola fica no Sítio Gado Bravo, s/n, Distrito de Vermelhos, Lagoa Grande (PE).

Para chegar na região mais perto das vinícolas é melhor pelo Aeroporto de Petrolina Senador Nilo Coelho, que recebe voos diários, partindo de Salvador, da Gol, Azul e Avianca. De ônibus, tem uma única empresa que deixa você em Casa Nova, a Gontijo, com passagens em torno de R$ 110.  A empresa Falcão Real faz o transporte até Juazeir por cerca de R$ 100. Se achar melhor ir de carro, siga esse mapa vindo de Salvador.

Preços e serviços apurados em setembro de 2017

Notícias relacionadas

[Gol e Air France KLM prorrogam parceria por mais cinco anos]
Turismo

Gol e Air France KLM prorrogam parceria por mais cinco anos

Por Metro1 no dia 04 de Novembro de 2019 ⋅ 14:20 em Turismo

Acordo de codeshare, pelo qual companhia aérea transporta passageiros cujos bilhetes tenham sido emitidos por outra companhia, já transportou mais de 1 milhão de clientes

[Air Europa é comprada pela IAG por um bilhão de euros]
Turismo

Air Europa é comprada pela IAG por um bilhão de euros

Por Matheus Simoni no dia 04 de Novembro de 2019 ⋅ 09:20 em Turismo

Aquisição visa transformar Madri em um hub que concorra de igual para igual com aeroportos como Amsterdã (KLM), Frankfurt (Lufhansa), Londres Heathrow (British Airways) e...