Turismo

Ao ar livre e com cerveja gelada, sessões de jazz vão diversificar seu happy hour

Um clima noturno suave acompanhado dos embalantes acordes de jazz, com direito a brisa marítima direto da orla, fazem do Jazz na Avenida um dos mais interessantes programas culturais de Salvador

[Imagem not found]
Foto : NaBahia

Por NaBahia no dia 26 de Dezembro de 2017 ⋅ 07:48

Um clima noturno suave acompanhado dos embalantes acordes de jazz, com direito a brisa marítima direto da orla, fazem do Jazz na Avenida um dos mais interessantes programas culturais de Salvador. O projeto surgiu em 2013 quando os franceses Laurent Rivemales e Patrice Deloupy decidiram se aventurar numa empreitada musical para comemorar dez anos vivendo na capital baiana. Os encontros acontecem sempre às quintas e sextas, a partir das 18h, na Boca do Rio, entre o restaurante Boi Preto e a Caixa Econômica.

(Crédito: Jazz na Avenida / Divulgação)

 

Depois de recolher experiências tocando jazz em casas de show da cidade, o projeto da dupla francesa nasceu a partir da organização de reuniões informais entre músicos e amigos. As reuniões transformaram a calçada de um estacionamento em palco para apresentações intimistas de jazz. O ambiente do lugar é uma ótima pedida para explorar a rua na noite de Salvador, seja numa proposta de happy hour ao ar livre ou emendar outra programação após os deleites musicais.

(Crédito: Jazz na Avenida / Divulgação)

 

Do início das atividades até aqui, as jam sessions reúnem cada vez mais apreciadores dos diversos gêneros de jazz, além de atrair novos interessados para o estilo musical nascido nos Estados Unidos. As atrações variam a cada semana, contemplando nomes da cena local, vindos de vários cantos da cidade. Os repertórios são autorais ou em homenagem a grandes nomes do jazz, como Nat King Cole, Billie Holiday, Nina Simone e Oscar Peterson, por exemplo. Além disso, alguns também passeiam pelo blues, e ritmos das décadas de 1970 e 1980 – sempre com curadoria em grande estilo.

(Crédito: Reprodução)

 

Até às 21h, dá para apreciar gratuitamente o clima do lugar; a partir desse horário é preciso pagar uma taxa única de R$ 10 (a depender da atração do dia). Também dá para tomar uma cervejinha gelada ou petiscar algum tira gosto, como acarajé, churrasquinho ou crepe). Quem chega mais cedo, ainda consegue encontrar um lugarzinho para sentar. Vale acompanhar o facebook do Jazz na Avenida porque, eventualmente, rola programação em dias como terça e quarta, seja festas com DJs ou shows maiores.

Se ligue!

Boca do Rio (entre o restaurante Boi Preto e a Caixa Econômica)

Quintas e sextas, a partir das 18h

Notícias relacionadas