METROPOLE

Quarta-feira, 12 de maio de 2021

Turismo

Da Lapinha ao Campo Grande: comemore o 2 de Julho, a Independência da Bahia

Da Lapinha ao Campo Grande: comemore o 2 de Julho, a Independência da Bahia

Da Lapinha ao Campo Grande: comemore o 2 de Julho, a Independência da Bahia

Foto: NaBahia

Por: NaBahia no dia 29 de junho de 2018 às 07:19

O povo e a história nas ruas. É esse o clima do Dois de Julho, festa que há 195 anos é motivo de orgulho para os baianos. Se você estiver por aqui nessa época, vale a pena conhecer de perto a celebração da Independência do Brasil na Bahia, que só aconteceu em 1923, muitos meses depois de Dom Pedro proclamar o tal “Grito do Ipiranga”. Se não estiver e for apaixonado por história, pode acrescentar na lista de coisas a fazer na vida…

Cortejo do Dois de Julho sai da Lapinha em direção ao Campo Grande
(Fotos: Marisa Vianna/Divulgação)

 

A data é feriado estadual e em anos eleitorais costuma pegar fogo com os movimentos e lutas sociais e disputas políticas! Em Salvador, o ápice acontece com o desfile do Caboclo e da Cabocla no dia 2 de julho. A figura do Caboclo representa o surgimento da nova nação, fazendo parte do panteão cívico juntamente com os heróis da  Independência, Maria Felipa, Joana Angélica, Maria Quitéria, Lord Cochrane General Labatut, José Joaquim De Lima E Silva.

O povo realmente veste as cores do estado, pinta a cara, carrega bandeiras e sai nas ruas comemorando a data cívica e cantando o hino do Dois de Julho, em cortejo de aproximadamente da Lapinha até o Campo Grande, em um trajeto de aproximadamente 5km. Aí é só colocar o tênis no pé e um chapéu na cabeça, pois o calor não costuma aliviar. Mas sempre dá pra parar de bar em bar para aliviar ou abastecer... Também não precisa percorrer toda a distância, dá para só observar a saída, a chegada ou acompanhar o mar de gente até uma parada estratégica para almoço ou reabastecimento etílico.

Caboclos são símbolos da Independência do Brasil na Bahia

 

A festa começa logo cedo, por volta das 7h30, com hasteamento de bandeiras e formalidades, para logo depois cair na espontaneidade que só o baiano sabe fazer, com suas frases de protestos, fantasias e fachadas enfeitadas (tem até concurso!). E a diversidade é linda de ver: famílias inteiras, idosos, crianças acompanham as fanfarras escolares, militares e bandas pelas ruas do bairro do Santo Antônio Além do Carmo, Pelourinho, onde há uma pausa, na Praça Municipal.

À tarde, o movimento é retomado pela Avenida Sete de Setembro em direção ao Largo Dois de Julho (Campo Grande). Por lá, mais formalidades  com o acendimento da Pira do Fogo Simbólico e hasteamento de bandeiras, ao “pé do caboclo” - de onde vem a famosa expressão soteropolitana “chorar no pé do caboclo”, no sentido de lamentação. Mas calma, o momento também é muito bonito, com o Encontro de Filarmônicas sob regência do Maestro Fred Dantas, que já chega ao 26º ano. 

Movimentos sociais, fantasias e fachadas enfeitadas fazem parte das celebrações

Mas as celebrações começam antes mesmo do 2 de julho. No dia 30, fogo simbólico sai de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, cidade símbolo da luta de independência. Personalidades e atletas se revesam no transporte do símbolo da Independência da Bahia. No percurso, a chama passa por Saubara, Santo Amaro, São Francisco do Conde, Candeias e Simões Filho, até chegar ao bairro de Pirajá, em Salvador, no fim da tarde do dia 1º, onde aconteceu uma importante batalha. 

 

TV METRO

Entrevistas

Paulo Coutinho

Em 11 de maio de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Da Lapinha ao Campo Grande: comemore o 2 de Julho, a Independência da Bahia - Metro 1