Vida Alheia

Manno Góes não é mais baixista do Alavontê

Agora é oficial: o cantor e compositor Manno Goés não vai mais se apresentar com a banda Alavontê. Na manhã dessa segunda-feira (24), o Metro1 mostrou que o músico esteve ausente dos últimos shows e, no início dessa tarde, o percursionista Jonga Cunha confirmou o afastamento [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Bárbara Silveira no dia 24 de Outubro de 2016 ⋅ 15:00

Agora é oficial: o cantor e compositor Manno Goés não vai mais se apresentar com o Alavontê. Na manhã dessa segunda-feira (24), o Metro1 mostrou que o músico esteve ausente dos últimos shows e, no início dessa tarde, o percursionista  da banda, Jonga Cunha, confirmou o afastamento. “Ele não está mais fazendo parte dos shows do Alavontê. Continua sócio, fundador e importantíssimo para o conceito”, disse.  

Em meados de outubro, Manno criticou a gestão de ACM Neto e os colegas de banda. E aos meus amigos do Alavontê - todos Neto - digo: se vocês têm medo do Alavontê não ser nunca mais contratado pela prefeitura depois deste post, lamento. Se eu tiver que lamber c* de alguém pra fazer show, paro de tocar”, escreveu no Facebook.

Mas segundo Jonga, a saída não teve relação com o episódio. “São questões pessoais, ele está cheio de trabalhos, projetos. Ele segue tocando o baba dele (...) Manno está cuidando da vida dele, é um diretor importantíssimo e atuante na questão dos direitos autorais. Está com um trabalho solo em andamento e o livro que ele está acabando é sensacional. Enfim, se afastou”, afirmou. 

Substituto escolhido

O baixista que vai substituir Manno Góes já foi escolhido, será Marcos Sampaio, que já tocou na banda de axé Companhia Clic. "Um grande baixista, foi incorporado", completou Jonga.

Notícias relacionadas

[Morre o jornalista Gil Gomes, aos 78 anos, em São Paulo]
Vida Alheia

Morre o jornalista Gil Gomes, aos 78 anos, em São Paulo

Por James Martins no dia 16 de Outubro de 2018 ⋅ 14:53 em Vida Alheia

Sucesso da TV nos anos 1990, ele sofria de Mal de Parkinson desde 2005. Gil Gomes foi muito criticado ao abordar o PCC, então uma força incipiente