Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Bahia

/

Mulher que se passava por servidora é suspeita de venda ilegal de postos de trabalho em órgãos públicos

Bahia

Mulher que se passava por servidora é suspeita de venda ilegal de postos de trabalho em órgãos públicos

De acordo com a polícia, a mulher declarou que já foi funcionária terceirizada do Departamento de Polícia Técnica (DPT); as investigações apontaram que a estelionatária já lesou mais de 10 vítimas.

Mulher que se passava por servidora é suspeita de venda ilegal de postos de trabalho em órgãos públicos

Foto: Ascom/Polícia Civil da Bahia

Por: Metro1 no dia 16 de abril de 2024 às 16:19

Uma operação da Polícia Civil, nesta terça-feira (15), desarticulou um esquema fraudulento e identificou uma suspeita de estelionato que se passava por servidora pública e vendia ilegalmente postos de trabalho em órgãos estaduais da Bahia. 

A Operação SAC, deflagrada pela Delegacia Estadual de Combate à Corrupção (Deccor), cumpriu mandados de busca e apreensão. Na casa da mulher, no bairro de Patamares, os policiais localizaram cartões bancários e celulares, que serão encaminhados à perícia.

De acordo com a polícia, a mulher declarou que já foi funcionária terceirizada do Departamento de Polícia Técnica (DPT), e que teria o vínculo com o órgão, depois de ter sido aprovada no Processo Seletivo Simplificado do Regime Especial de Direito Administrativo (Reda).

Além disso, ela informou que utilizava uma camisa preta com a identificação de perito técnico para ter acesso aos órgãos públicos. As investigações apontaram que a estelionatária já lesou mais de dez pessoas, cujas vítimas informaram que viram a investigada usando a camisa do órgão. 

“As contas bancárias da investigada foram bloqueadas. Também representamos pelas quebras dos sigilos bancários e fiscal da suspeita. As investigações seguem em curso, visando identificar a participação de servidores e de terceiros na fraude, bem como na identificação do destino dos valores angariados no delito”, explicou a titular da Deccor, delegada Larissa Laje.