Bahia

MP ajuíza ação contra ex-diretor do Hospital Regional de Guanambi por improbidade

Ex-dirigente não realizou a fiscalização de contrato que apresentava irregularidades, de acordo com ação civil pública

[MP ajuíza ação contra ex-diretor do Hospital Regional de Guanambi por improbidade]
Foto : Lay Amorim/Achei Sudoeste

Por Juliana Almirante no dia 07 de Junho de 2019 ⋅ 12:20

O Ministério Público estadual ajuizou ação civil pública contra o ex diretor-geral do Hospital Regional de Guanambi (HRG), Ariovaldo Vieira Boa Sorte, por suposta prática de improbidade administrativa.

Em contrato firmado entre o laboratório Biolac e a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), segundo o MP-BA, Ariovaldo não realizou a devida fiscalização do contrato, o que contribuiu para a Biolac cometer irregularidade como o descumprimento de exigências contratuais relativas à adequação física. 

Também não foi fiscalizado o gerenciamento de resíduos de serviço de saúde, capacitação e contratação de recursos humanos.

O MP acionou ainda a Biolac Laboratório de Análises Clínicas e Biológicas, e seus sócios Vanilson Marques Flores e Carmem Conceição Fernandes Santos Bonfim.

“Trata-se de uma empresa que não tinha a mínima capacidade operacional para gerir um contrato com a administração pública na área de saúde, onde os dois sócios de fato se utilizaram de diversos artifícios com o único intuito de receber no fim do mês os valores previstos contratualmente, e ainda contaram com a conivência do então diretor do hospital”, afirmou a promotora de Justiça.

Na ação, o MP requer a concessão de indisponibilidade de bens dos acionados até o limite de cerca de R$ 9 milhões, ressarcimento integral do dano, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, entre outras penalidades.

Notícias relacionadas

[Embasa nega favorecimento de empresas em contratos ]
Bahia

Embasa nega favorecimento de empresas em contratos 

Por Metro1 no dia 18 de Outubro de 2019 ⋅ 07:58 em Bahia

“As dispensas de licitações são previstas legalmente para garantir a continuidade da prestação de serviços essenciais para população", diz a empresa