Bahia

Após portaria, Secretaria de Educação nega privatização na rede estadual de ensino

Governo fez chamada pública para que Organizações Sociais (OS) assumam a gestão administrativa de escolas públicas

[Após portaria, Secretaria de Educação nega privatização na rede estadual de ensino]
Foto : Secom/BA

Por Juliana Almirante no dia 13 de Setembro de 2019 ⋅ 10:23

Após as críticas do deputado estadual Sandro Régis (DEM), a Secretaria da Educação do Estado esclareceu, em nota, que "não há privatização na rede estadual de ensino".

O democrata reclamou da publicação da Portaria 770, uma chamada pública para que Organizações Sociais (OS) assumam a gestão administrativa de escolas públicas em Salvador, Alagoinhas, Ilhéus e Itabuna.

Segundo o deputado da bancada de oposição, professores e estudantes estariam se manifestando nas redes sociais para exigir a revogação da medida.  

"O projeto de parceria com o Programa Estadual de Organizações Sociais tem o objetivo de dar suporte administrativo e operacional às unidades escolares em serviços como limpeza, alimentação e manutenção preventiva e corretiva. Com isto, os gestores escolares receberão o suporte administrativo e operacional, tendo melhores condições de trabalho para o desenvolvimento das práticas pedagógicas e do processo de ensino e aprendizagem dos estudantes", defende a secretaria, em nota.

A secretaria ainda alega que as escolas continuarão sendo públicas e gratuitas. "A Secretaria da Educação continuará definindo as políticas pedagógicas e os resultados a serem alcançados pelas escolas. Os diretores continuarão liderando e tomando as decisões em suas escolas. A diferença é que haverá um parceiro para auxiliar na prestação de serviços de suporte de maneira mais eficiente", afirma a pasta.

Notícias relacionadas

[Embasa nega favorecimento de empresas em contratos ]
Bahia

Embasa nega favorecimento de empresas em contratos 

Por Metro1 no dia 18 de Outubro de 2019 ⋅ 07:58 em Bahia

“As dispensas de licitações são previstas legalmente para garantir a continuidade da prestação de serviços essenciais para população", diz a empresa