Bahia

Homem denuncia destruição de plantações em acampamento desocupado na Bahia

De acordo com MST, acampamento produzia anualmente mais de 7,2 mil toneladas de alimentos

[Homem denuncia destruição de plantações em acampamento desocupado na Bahia]
Foto : Reprodução/Facebook

Por Juliana Almirante no dia 28 de Novembro de 2019 ⋅ 11:20

Um homem denunciou, por meio do Facebook, a destruição de uma plantação do assentamento Abril Vermelho, na zona rural de Juazeiro, norte da Bahia. O local foi desocupado após decisão judicial na última segunda-feira (25).

"Aqui 1727 hectares só no projeto, onde todas as fronteiras estão sendo derrubadas. As máquinas estão destruindo tudo, plantação de banana, de mamão, de batata. O trator passando por cima. Enquanto nosso país sobre com desemprego, mas de quatro mil pessoas que trabalhavam aqui e hoje estão na rua. Tudo destruído", reclamou Gilvan Silva. 

De acordo com o Movimento Sem Terra (MST), a desocupação ocorreu de forma 'truculenta" e foram usada bombas de gás lacrimogênio, spray de pimenta e balas de borracha. Um idoso foi atingido na região da cabeça, uma jovem foi atingida por estilhaços na cabeça e uma criança de 3 anos de idade com hematomas pelo corpo, segundo o movimento.

O acampamento produzia anualmente mais de 7,2 mil toneladas de alimentos, gerando trabalho e renda para mais de 5 mil pessoas, segundo o MST.

A ação de reintegração de posse foi deflagrada pela Polícia Federal em favor da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), para desocupação de uma área de aproximadamente 1727 hectares.

 A PF contestou o MST e afirmou que a ação se deu de forma pacífica e que a Codevasf disponibilizou veículos para transportar os moradores e seus bens. 

Notícias relacionadas

[Projeto Tamar diz que continuará funcionando em Arembepe]
Bahia

Projeto Tamar diz que continuará funcionando em Arembepe

Por Kamille Martinho no dia 29 de Maio de 2020 ⋅ 20:00 em Bahia

No texto, o Projeto Tamar esclarece que é uma instituição privada, sem fins lucrativos, que busca proteger as cinco espécies de tartarugas marinhas que existem no Brasil