Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

Com investimento, Butantan e Fiocruz poderiam criar vacina contra a Covid-19, diz Ciro

Para o ex-ministro, a quebra de patentes dos imunizantes não seria suficiente para solucionar a lentidão da vacinação no país

[Com investimento, Butantan e Fiocruz poderiam criar vacina contra a Covid-19, diz Ciro]
Foto : Matheus Simoni/Metropress

Por Juliana Rodrigues no dia 24 de Fevereiro de 2021 ⋅ 10:32

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) avaliou hoje (24), em entrevista a Mário Kertész, no Jornal da Bahia no Ar, na Rádio Metrópole, que a quebra de patentes das vacinas contra a Covid-19 não solucionaria, sozinha, o problema da lentidão na imunização dos brasileiros. Segundo ele, o ideal seria que o governo brasileiro tivesse investido em ciência e tecnologia para que o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) criassem uma vacina própria contra a Covid-19.

"O Brasil tem 100 anos de tradição em vacinação no Butantan e na Fiocruz. Pois bem, destruíram o complexo industrial da Saúde no Brasil. Isso aconteceu nos governos Lula e Fernando Henrique, que destruíram, antes de Bolsonaro. Então o Brasil ficou dependente de insumos básicos. (...)  A grande saída hoje é apostar numa vacina brasileira. Fazer vacina, tecnicamente, não tem grande sofisticação. Se você colocar uns tostões desse dinheiro de leite condensado... O dinheiro de leite condensado que botaram no Exército dá para desenvolver uma vacina brasileira. (...) O Brasil sabe fazer isso há 100 anos! Agora, cadê o dinheiro? O dinheiro é pra comprar gente pra votar na Câmara! Essa é a grande questão do Brasil. (...) Com R$ 50 milhões aplicados na Fiocruz ou no Butantan, nós desenvolvíamos a vacina brasileira. Como isso não está feito, tem que quebrar a patente. Agora, quebrando a patente, o insumo tem que ser produzido aqui no Brasil, voltamos ao investimento. E estamos com o pior investimento em Ciência e Tecnologia da história", disse.

Notícias relacionadas