Brasil

47% dos estudantes beneficiados pelo Fies estão inadimplentes, diz CGU

Segundo dados da Controladoria-Geral da União (CGU) de 2014, é de 47% o índice de inadimplência entre os estudantes beneficiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que já estão em fase de quitação dos contratos. O governo federal aponta que a maioria dos estudantes que não efetuaram o pagamento das dívidas do programa foram beneficiados pelo antigo modelo do programa, com taxas e prazos mais rígidos para quitarem os débitos. [Leia mais...]

[47% dos estudantes beneficiados pelo Fies estão inadimplentes, diz CGU]
Foto : Reprodução G1

Por Jessica Galvão no dia 08 de Janeiro de 2016 ⋅ 16:45

Segundo dados da Controladoria-Geral da União (CGU) de 2014, é de 47% o índice de inadimplência entre os estudantes beneficiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que já estão em fase de quitação dos contratos. O governo federal aponta que a maioria dos estudantes que não efetuaram o pagamento das dívidas do programa foram beneficiados pelo antigo modelo do programa, com taxas e prazos mais rígidos para quitarem os débitos.

De acordo com o órgão, havia no total 315 mil alunos em fase de quitação do financiamento. O Ministério da Educação informou que 146 mil deles estão com as contas em atraso. Segundo o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, o relatório leva em conta números do programa desde a criação. “Desses 146 mil contratos, 141 mil são do ‘velho’ Fies. Somente 5 mil contratos, ou seja, 3,4% são do novo Fies.”

Para resolver a questão da inadimplência, o governo pretende chamar os alunos e negociar as dívidas. Em última instância, o ministério pode entrar na Justiça, acionar os fiadores (em contratos antigos) ou acionar o Fundo Garantidor do Fies (mantido pelo governo e pelas instituições privadas).

Notícias relacionadas

[Venezuelanos são agredidos em Roraima]
Brasil

Venezuelanos são agredidos em Roraima

Por Marina Hortélio no dia 18 de Agosto de 2018 ⋅ 16:30 em Brasil

Os refugiados também foram expulsos das barracas que ocupavam da cidade de Pacaraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela