Brasil

JBS é acusada de terceirização ilícita de trabalhadores muçulmanos

O ministério Público do Trabalho (MPT) em Brasília entrou com ação na Justiça contra o frigorífico JBS e uma das marcas do grupo, a Seara, por terceirização ilícita de trabalhadores muçulmanos. [Leia mais...]

[JBS é acusada de terceirização ilícita de trabalhadores muçulmanos]
Foto : Reprodução

Por Yasmin Garrido no dia 18 de Março de 2017 ⋅ 14:01

O ministério Público do Trabalho (MPT) em Brasília entrou com ação na Justiça contra o frigorífico JBS e uma das marcas do grupo, a Seara, por terceirização ilícita de trabalhadores muçulmanos. De acordo com os procuradores, irregularidades trabalhistas no abate de aves da Seara em Samambaia foram identificadas. 

No processo consta que o frigorífico contratou muçulmanos para abater aves de modo “Halal”, sem dar os mesmos salários ou benefícios destinados a outros empregados – até mesmo o de circular livremente pela fábrica. Na tardição do Islã, o "Halal" determina que a carne não pode conter nada que seja considerado "impuro".

A Seara reconheceu que os muçulmanos realizam atividades na empresa, mas afirmou que a prestação de serviço acontece de modo terceirizado. De acordo com a assessoria, o trabalho dos estrangeiros é uma exigência de compradores de países islâmicos. Aos procuradores, representantes da Seara afirmaram que os muçulmanos contratados são responsáveis pela sangria da carne, e que, se não fosse a exigência dos compradores, o serviço poderia ser feito por máquinas.

Notícias relacionadas

['Bolsonaro está louco', afirma líder dos caminhoneiros ]
Brasil

'Bolsonaro está louco', afirma líder dos caminhoneiros

Por Juliana Almirante no dia 01 de Abril de 2020 ⋅ 12:00 em Brasil

Antes apoiador do presidente, Wanderlei Alves criticou Bolsonaro por agir contra o isolamento social e se omitir de dar suporte ao trabalho feito pela categoria