Brasil

Instituto que administra maternidade em Salvador é suspeito de fraude em Barueri

Após mudança na gestão do Hospital Municipal de Barueri (HMB), com a chegada da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) em substituição ao Instituto Hygia Saúde e Desenvolvimento Social, acusado de fraude pelo Ministério Público de São Paulo e que assumiu a administração da Maternidade Professor José Maria de Magalhães, em Salvador, o futuro dos cerca de 1.300 funcionários é incerto. [Leia mais...]

[Instituto que administra maternidade em Salvador é suspeito de fraude em Barueri]
Foto : Reprodução

Por Yasmin Garrido no dia 11 de Abril de 2017 ⋅ 11:20

Após mudança na gestão do Hospital Municipal de Barueri (HMB), com a chegada da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) em substituição ao Instituto Hygia Saúde e Desenvolvimento Social, acusado de fraude pelo Ministério Público de São Paulo e que assumiu, em 2017, a administração da Maternidade Professor José Maria de Magalhães, em Salvador, o futuro dos cerca de 1.300 funcionários é incerto.

De acordo com o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo (SEESP), os servidores foram orientados a pedir demissão do instituto sem, no entanto, terem a garantia de admissão pela nova administradora da unidade de saúde. Ainda segundo o órgão, há mais de um ano os funcionários vêm lidando com atrado de salários e não recebem o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou o 13º salário.

O Instituto Hygia, antiga administradora do Hospital de Barueri, tem dívidas de mais de R$ 95 milhões, que não vão ser assumidas pela nova gestora da unidade. Por meio de nota, a Prefeitura de Barueri afirmou que “não houve demissões” no hospital e “nem interrupção dos serviços”. “Neste momento, o HMB está sob intervenção da prefeitura em fase de transição para outra administração, porque o contrato com a antiga gestora, Instituto Hygia, foi rescindido”, explicou.

Bahia

O Instituto Hygia assumiu a administração da Maternidade Professor José Maria de Magalhães Netto, no Pau Miúdo, em Salvador. A unidade de saúde era gerida pela Santa Casa de Misericórdia da Bahia desde sua fundação, em 2006, mas há alguns anos a instituição reclamava das dificuldades para entregar um serviço adequado com recursos insuficientes.

Notícias relacionadas