Brasil

Enem: redações que desrespeitarem direitos humanos podem ser zeradas

Candidatos que participarem do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderão ter a redação zerada caso não respeitem os direitos humanos. De acordo com com Cartilha do Participante – Redação no Enem 2017, divulgada nesta segunda-feira (16), algumas ideias e ações serão sempre avaliadas como contrárias aos direitos humanos. [Leia mais...]

[Enem: redações que desrespeitarem direitos humanos podem ser zeradas]
Foto : Reprodução / Enem 2017

Por Laura Lorenzo no dia 16 de Outubro de 2017 ⋅ 17:47

Candidatos que participarem do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderão ter a redação zerada caso não respeitem os direitos humanos. De acordo com com Cartilha do Participante – Redação no Enem 2017, divulgada nesta segunda-feira (16), algumas ideias e ações serão sempre avaliadas como contrárias aos direitos humanos, como: defesa de tortura, mutilação, execução sumária e qualquer forma de “justiça com as próprias mãos”, isto é, sem a intervenção de instituições sociais devidamente autorizadas.

Ainda segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), que divulgou a cartilha, também ferem os direitos humanos, a incitação a qualquer tipo de violência motivada por questões de raça, etnia, gênero, credo, condição física, origem geográfica ou socioeconômica e a explicitação de qualquer forma de discurso de ódio voltado contra grupos sociais específicos. O Instituto afirmou que, apesar de a referência aos direitos humanos ocorrer apenas em uma das cinco competências avaliadas, a menção ou a apologia a tais ideias, em qualquer parte do texto, pode anular a prova.

De acordo com o Inep, a prova de redação do Enem sempre exigiu que o participante respeite os direitos humanos, mas, desde 2013, o edital do exame tornou obrigatório o respeito ao tema, sob pena de a redação receber nota zero.

Notícias relacionadas

[Casa Geyer deve ser reaberta em 2022]
Brasil

Casa Geyer deve ser reaberta em 2022

Por Metro1 no dia 21 de Agosto de 2019 ⋅ 11:00 em Brasil

Diretor do Museu Imperial de Petrópolis, para onde o imóvel foi doado, Manoel Vicente prevê abertura do imóvel para o Bicentenário da Independência