Brasil

Convênio permite que PF tenha acesso à impressões digitais colhidas pelo TSE

Um convênio vai compartilhar as impressões digitais dos eleitores que realizaram recadastramento biométrico colhidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com a Polícia Federal (PF), conforme informações do jornal Estadão. O acordo entre os órgãos será assinado nesta quinta-feira (16), em Brasília, pelo presidente da Corte, Gilmar Mendes, e o diretor-geral da PF, Fernando Segóvia. [Leia mais...]

[Convênio permite que PF tenha acesso à impressões digitais colhidas pelo TSE]
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 16 de Novembro de 2017 ⋅ 15:10

Um convênio vai compartilhar as impressões digitais dos eleitores que realizaram recadastramento biométrico colhidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com a Polícia Federal (PF), conforme informações do jornal Estadão. O acordo entre os órgãos será assinado nesta quinta-feira (16), em Brasília, pelo presidente da Corte, Gilmar Mendes, e o diretor-geral da PF, Fernando Segóvia.

Com isso, a polícia poderá usar as informações em investigações criminais. O TSE também poderá ter acesso ao banco de dados da PF para cadastrar automaticamente eleitores que não tiveram suas digitais coletadas.

A emissão de passaportes também poderá ter maior celeridade. Isso porque quem tiver as digitais cadastradas no TSE não precisará fazer novamente o procedimento ao pedir o documento à PF.

Já foram colhidas pelo TSE as impressões digitais de 50,4 milhões de eleitores, o que representa 34,4% do total do eleitorado.

Notícias relacionadas