Brasil

Boechat classifica morte de Moa do Katendê como 'bobagem' e é criticado

O artista foi assassinado com 12 facadas após uma discussão política, quando se posicionou contrário ao capitão reformado do Exército

[Boechat classifica morte de Moa do Katendê como 'bobagem' e é criticado]
Foto : Reprodução/TV Band

Por Matheus Simoni no dia 09 de Outubro de 2018 ⋅ 14:40

O jornalista Ricardo Boechat, do Grupo Bandeirantes, comentou o atual panorama político em meio à expectativa das eleições do segundo turno entre Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) e falou da morte do mestre capoeirista Romualdo Rosário da Costa, conhecido como Moa do Katendê. O artista foi assassinado com 12 facadas após uma discussão política, quando se posicionou contrário ao capitão reformado do Exército.

Durante o Jornal da BandNews de hoje (9), Boechat classificou o homicídio como "bobagem" diante do alto número de mortes no país. "Não vejo agressividade na campanha. Tem um capoeirista morto, mas somos 200 milhões de pessoas. Quantas pessoas morrem por dia? Temos 65 mil homicídios por ano. Aí cita uma morte como fenômeno de campanha? Aquilo é uma bobagem, minha gente. Temos 65 mil homicídios.Tivemos uma eleição sem incidentes. A vida seguiu e está seguindo, estamos indo para o segundo turno", declarou o radialista.

"Aí cita uma morte como fenômeno de campanha? Por favor, é uma bobagem, minha gente. Temos 65 mil homicídios por ano no Brasil", completa. 

Ontem (8), a polícia prendeu Paulo Sérgio Ferreira de Santana, 36 anos, que confessou ter dado as facadas em mestre Moa por não concordar com a posição política do capoeirista. 

Nas redes sociais, diversos internautas criticaram o posicionamento defendido por Boechat. Confira:

 

Notícias relacionadas