Brasil

João de Deus culpa 'espíritos' e se contradiz em depoimento

Ele ainda afirmou que não entrega receitas ao fiéis que vão à Casa de Dom Inácio de Loyola, em Goiás

[João de Deus culpa 'espíritos' e se contradiz em depoimento]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 20 de Dezembro de 2018 ⋅ 14:20

O médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, responsabilizou "Deus" e "o espírito" pelos procedimentos feitos na Casa de Dom Inácio de Loyola, onde ele realizava seus atendimentos espirituais. De acordo com o jornal O Globo, as declarações foram feitas em depoimento à polícia no dia 16 de dezembro.

Ele ainda afirmou que não entrega receitas ao fiéis que vão à Casa de Dom Inácio de Loyola. João de Deus diz que “as orientações são repassadas pelo espírito” e que, ao ser questionado se faz tratamento com cirurgias incisivas, ele nega. “Deus que faz”, afirma. As notas taquigráficas do depoimento mostram a explicação dada pelo médium.

“No atendimento não é repassada receita, as orientações são repassadas pelo espírito, ou seja, não é de maneira escrita. Esclarece que apenas atende e orienta. Informa ainda que alguns frequentadores já adquirem os produtos, mesmo sem o encaminhamento do espírito, pois são frequentadores do local há muitos anos e acreditam na eficiência do produto.”

De acordo com jornal O Globo, a reportagem esteve no “hospital espiritual” de João e constatou que o próprio é responsável pela entrega de um papel com sua rubrica. Voluntários explicaram que o papel deveria ser entregue na farmácia para comprar remédios. Foram cobrados R$ 100 por duas caixas de passiflora com 80 cápsulas cada uma. Segundo a orientação impressa na embalagem, o paciente deveria tomar o remédio duas vezes ao dia.

No depoimento, João afirmou que não havia entrega de receitas escritas e que o preço seria de R$ 50 por uma embalagem com 10 comprimidos.

Notícias relacionadas

[Jornalista é assassinado a tiros no Rio de Janeiro]
Brasil

Jornalista é assassinado a tiros no Rio de Janeiro

Por Juliana Rodrigues no dia 19 de Junho de 2019 ⋅ 10:40 em Brasil

Romário da Silva Barros era conhecido por noticiar acontecimentos políticos no município de Maricá; caso é o segundo assassinato de jornalistas em menos de um mês na cida...