Domingo, 20 de junho de 2021

Brasil

MPF acusa Wesley Batista por uso de informação privilegiada de sua delação no mercado

Empresário realizou operações cambiais dias antes da divulgação de seu acordo de delação premiada, prevendo a alta do dólar

MPF acusa Wesley Batista por uso de informação privilegiada de sua delação no mercado

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por: Juliana Rodrigues no dia 07 de maio de 2019 às 11:28

O Ministério Público Federal denunciou mais uma vez o empresário Wesley Batista pelo crime de insider trading, que consiste no uso de informações privilegiadas para a obtenção de ganhos no mercado financeiro.

De acordo com o blog de Fausto Macedo, no Estadão, Wesley lucrou quase R$ 70 milhões com operações cambiais da Seara Alimentos e da Eldorado Celulose em maio de 2017, momento em que o dólar teve alta de 9% após a divulgação do acordo de delação premiada firmado por ele e pelo irmão, Joesley Batista, com o MPF. Os contratos tinham sido negociados quando a colaboração ainda estava sob sigilo.

Nos dias 9 e 16 de maio, a Eldorado adquiriu US$ 280 milhões em contratos de dólar a termo, o triplo de todo o lucro obtido pela empresa no ano anterior. Já a Seara, entre os dias 10 e 16, comprou US$ 25 milhões em dólar futuro. A quantia é 50 vezes superior à média das operações que a empresa vinha realizando no mercado cambial desde o segundo semestre de 2016.

As transações aconteceram no período entre a celebração do acordo de colaboração premiada, no início de maio, e a divulgação de seu teor, no dia 17.

MPF acusa Wesley Batista por uso de informação privilegiada de sua delação no mercado - Metro 1