Brasil

WhatsApp é principal fonte de informação do brasileiro, aponta estudo

Segundo a pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado, 79% da população recebe conteúdo pelo aplicativo

[WhatsApp é principal fonte de informação do brasileiro, aponta estudo]
Foto : Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 10 de Dezembro de 2019 ⋅ 12:20

O aplicativo WhatsApp é a principal fonte de informações dos brasileiros, segundo pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. O levantamento aponta que 79% dos entrevistados disseram sempre receber notícias pela rede social, que é uma das mais populares plataformas no Brasil.

Depois do Whatsapp, outras fontes foram citadas, misturando redes sociais e veículos tradicionais. A televisão foi citada por 50% dos entrevistados, seguida pelo YouTube (49%), Facebook (44%), sites de notícias (38%), a rede social Instagram (30%) e emissoras de rádio (22%). O jornal impresso também foi citado por 8% dos participantes da sondagem e o Twitter, por 7%.

No caso da televisão, o porcentual foi maior entre os mais velhos: 67% dos consultados com mais de 60 anos disseram se informar sempre por esse meio, contra 40% na faixa entre 16 a 29 anos.
Já o Youtube apareceu como mais popular entre os mais jovens. Os que afirmaram sempre utilizar a plataforma chegaram a 55% na faixa de 16 a 29 anos, contra 31% entre os com 60 anos ou mais.

No caso do Instagram, a diferença é ainda maior. Entre os jovens, 41% relataram buscar informações sempre na rede social. Já na faixa dos 60 anos ou mais, o índice caiu para apenas 9%.

A pesquisa ouviu 2.400 pessoas com acesso à internet em todos os estados e no Distrito Federal. As entrevistas foram realizadas por telefone no mês de outubro. O nível de confiança é de 95%, com margem de erro de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Notícias relacionadas

[Inscrições para o Sisu se encerram hoje]
Brasil

Inscrições para o Sisu se encerram hoje

Por Marcela Vilar no dia 26 de Janeiro de 2020 ⋅ 11:30 em Brasil

Prorrogado pelas inconsistências na correção de provas do Enem, prazo vai até às 23h59 deste domingo