Brasil

Morre, aos 63 anos, o jornalista Gilberto Dimenstein

Segundo o jornalista Carlos Andeazza, em contato recente, Dimenstein falava da "última linha". 

[Morre, aos 63 anos, o jornalista Gilberto Dimenstein]
Foto : Reprodução/TVE

Por Metro1 no dia 29 de Maio de 2020 ⋅ 10:37

Fundador do site Catraca Livre, ex-comentarista da CBN e ex-colunista da Folha, Gilberto Dimentein morreu hoje (29). A causa da morte não foi divulgada, mas ele lutava contra um câncer no pâncreas. 

Segundo o jornalista Carlos Andeazza, em contato recente, Dimenstein falava da "última linha". 

"Não chegamos a nos encontrar, mas estivemos próximos, nos últimos meses, em função de livro - sobre sua experiência com o câncer, que enfrentava com bravura e bom humor - que preparava para mim, encomendado depois de lindo artigo que publicou na Folha. a última mensagem que me mandou, na terça, Dimenstein me informou - pela primeira vez sem esperança, mas sempre com a objetividade do jornalista - que vivia "a última linha". Que descanse em paz. De sua obra, recomendo o ótimo "O complô que elegeu Tancredo",  contou Andreazza.

Também nas redes sociais, a jornalista Vera Magalhães lamentou o falecimento do colega. "Uma perda imensa para o jornalismo brasileiro. Um homem íntegro, inspiração para minha geração, que lutou até o fim contra uma doença cruel. Que descanse em paz e que seus familiares e amigos encontrem conforto naquilo que acreditam e uns nos outros".

Dimenstein ganhou dois Prêmios Esso de Jornalismo - em 1988, na categoria Principal, com a reportagem "A Lista da Fisiologia", e, no ano seguinte, na categoria Informação Política, com "O Grande Golpe", ambas publicadas pela Folha de S.Paulo -, dois Prêmios Líbero Badaró de Imprensa e o Prêmio Jabuti de Literatura de Melhor Livro de Não-Ficção em 1993, com "O Cidadão de Papel".

O enterro deve acontecer no domingo, no Butantã, bairro da Zona Oeste de São Paulo.

Notícias relacionadas