Brasil

Garimpeiros podem levar coronavírus à Terra Yanomami e causar genocídio, diz procurador de RR

Um estudo elaborado pelo Isa e UFMG aponta que Terra Yanomami é a mais vulnerável ao coronavírus entre as regiões indígenas da Amazônia

[Garimpeiros podem levar coronavírus à Terra Yanomami e causar genocídio, diz procurador de RR]
Foto : Reprodução/ Hutukara Associação Yanomami

Por Kamille Martinho no dia 04 de Junho de 2020 ⋅ 15:20

Um terceiro ciclo de genocídio dos povos que vivem na Terra Yanomani, em decorrência da corrida aos garimpos no território indígena em meio a pandemia do coronavírus. A análise é do procurador de justiça de Roraima, Edson Damas, que recebeu denúncias sobre a continuidade de invasão dos garimpeiros no território.

Um estudo elaborado pelo Instituto Socioambiental (Isa) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) aponta que Terra Yanomami é a mais vulnerável ao coronavírus entre as regiões indígenas da Amazônia.

A Terra Yanomami é a maior do Brasil, com mais de 9 mil hectares distribuídos entre os estados de Roraima e Amazonas, a terra abriga 26.780 indígenas. A estimativa é que cerca de 20 mil garimpeiros estejam infiltrados no território. Roraima não possui garimpos legalizados.

"Vemos que quem pode levar mesmo o vírus lá para dentro são os garimpeiros, porque saem da cidade e acabam tendo contato com os indígenas. Eles atraem os índios com comida e bebida. Se esse vírus se espalhar dentro da terra indígena, essa pandemia vai causar um genocídio lá dentro", afirmou Damas ao G1.

Notícias relacionadas