Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

Após ação da PF, governo muda gestão de hospital em Juazeiro 

No dia da operação, a Procuradoria-Geral do Estado, por meio de nota, disse que era interessada na apuração

[Após ação da PF, governo muda gestão de hospital em Juazeiro ]
Foto : Mateus Pereira/GOVBA

Por Alexandre Galvão no dia 23 de Novembro de 2020 ⋅ 15:39

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, anunciou hoje (23) que o Hospital Regional de Juazeiro será gerido pelas Obras Sociais de Irmã Dulce. Na semana passada, a unidade foi alvo da Polícia Federal, que visava desarticular esquema de fraude em licitações e desvio de recursos públicos destinados à gestão da unidade. 

Segundo a investigação, a organização criminosa investigada, mediante fraudes em licitações públicas, passou a dominar a gestão de inúmeras unidades da rede estadual de saúde sob gestão indireta, por intermédio de diferentes Organizações Sociais de Saúde – OSS, que, todavia, são controladas por um mesmo grupo empresarial, quase sempre registradas em nome de “laranjas”. Na unidade, o contrato é da APMI, mas a gestão era feita pela IBDAH.

“Hoje estivemos no Hospital Regional de Juazeiro para anunciar a duplicação da capacidade de internação, vai ganhar 140 leitos, todos destinados a internações cirúrgicas, clínicas, todos destinados à oncologia. Estamos procedendo a substituição da organização gestora, vai entrar a OSID. A partir de hoje, o hospital é gerido pelas obras sociais Irmã Dulce. Todos os funcionários serão mantidos. Eles serão demitidos e recontratados e as rescisões serão pagas pela Sesab”, afirmou Vilas-Boas, em vídeo publicado hoje nas redes sociais. 

 

 

No dia da operação, a Procuradoria-Geral do Estado, por meio de nota, disse que era interessada na apuração. "A orientação é a de garantir o fiel cumprimento da decisão judicial, considerando que o Estado da Bahia é o maior interessado nos esclarecimentos dos fatos", informou o governo.

Notícias relacionadas