Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

Secretário cobra governo federal por antecipação da campanha de vacinação contra gripe em Salvador

Prates alerta Ministério da Saúde e pede medidas amplas diante do enfrentamento à pandemia de Covid-19

[Secretário cobra governo federal por antecipação da campanha de vacinação contra gripe em Salvador]
Foto : Bruno Concha/Secom/PMS

Por Matheus Simoni no dia 19 de Fevereiro de 2021 ⋅ 12:00

O Secretário Municipal da Saúde, Leo Prates, cobrou do governo federal, através do Ministério da Saúde, a antecipação da campanha de vacinação contra o vírus da Influenza (gripe) em Salvador. Segundo ele, a medida tem como objetivo preparar a população e também evitar uma duplicidade no enfrentamento da pandemia do coronavírus. “Certo de que o atual cenário vivido em Salvador no enfrentamento à pandemia da Covid-19 exige a adoção de amplas medidas cada vez mais assertivas por parte dos gestores envolvidos na saúde, decidi apelar ao Governo Federal pela antecipação do início da campanha de vacinação contra gripe/influenza na cidade”, disse Prates.

De acordo com o gestor, os argumentos apresentados são práticos e trazem impactos operacionais e na rede assistencial. “Primeiramente, para receber as doses contra o coronavírus e a influenza é necessário um intervalo mínimo de 14 dias entre elas. Atualmente, as equipes de imunização necessitam fazer o controle das especificidades das múltiplas marcas de imunizantes utilizados na estratégia da Covid-19, bem como, os prazos variados para aplicação das doses de reforço. Agregar mais um parâmetro onde o vacinado deve aguardar mais um período para iniciar a proteção para gripe, tornaria esse processo ainda mais complexo”, explicou.

A antecipação do início da campanha contra a influenza assegura um melhor planejamento dessas ações. Para isso, a vacinação será iniciada no sentido contrário à imunização da Covid-19, começando com os idosos de 60 a 74 anos. “Isso nos daria mais tranquilidade no controle dos prazos. Precisamos levar também em consideração que a campanha contra gripe requer uma mega estrutura, já que é aberta de uma única vez para um público alvo maior do que o disponibilizado pela Covid-19 até o momento”, salienta.

No ano passado foram vacinados mais de 870 mil indivíduos na capital, sendo que cerca de 312 mil eram idosos. A antecipação da vacinação da gripe auxilia na montagem de um esquema maior, “uma vez que a imunização do coronavírus ainda acontece de maneira mais lenta e fracionada”, justifica o titular da pasta.

Notícias relacionadas