Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

‘O retorno é o reconhecimento de uma injustiça que estava sendo feita’, diz historiador sobre Lula

Professor e historiador, Daniel Aarão Reis foi o entrevistado do Jornal da Cidade desta quarta-feira (10)

[‘O retorno é o reconhecimento de uma injustiça que estava sendo feita’, diz historiador sobre Lula]
Foto : Reprodução

Por Gabriel Amorim no dia 10 de Março de 2021 ⋅ 19:01

Em um dia marcado pelo discurso do ex-presidente Lula que teve seus direitos políticos devolvidos recentemente, e pela mudança de discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao tratar do enfrentamento da pandemia, o Jornal da Cidade da Rádio Metrópole recebeu o professor e historiador Daniel Aarão Reis que comentou o cenário. Sobre a decisão que devolveu à Lula a possibilidade de se eleger, o professor opinou: “O retorno é o reconhecimento a uma injustiça que estava sendo feita.”O retorno é o reconhecimento a uma injustiça que estava sendo feita”, acredita.

Analisando o discurso feito pelo ex-presidente na manhã de hoje (10), Reis já percebe mudanças. “Agora ele volta de outra forma. Antes víamos ele em entrevistas anteriores ele amargurado e zangado. Agora recuperados os seus direitos políticos voltou com aquela verve que todos nós conhecemos. O retorno é o reconhecimento de que o trabalho de que foi feito pelo Moro e seus procuradores, atuando como justiceiros, sem se comportar como juízes e procuradores estava errado”, explica.

O historiador defende, inclusive, que os próximos passos do cenário político do país devem envolver o julgamento do ex-juiz Sérgio Moro. “ Agora se espera que Moro seja julgado com todo direito de defesa, e que venha a sentença pelo desserviço que ele prestou à justiça brasileira e à democracia. É preciso um rigoroso inquérito”, defende o professor. 

Sobre as eleições de 2022, o historiador diz não haver um cenário completamente definido. ‘Ainda é cedo para apontar. As tendências políticas no Brasil ainda estão em processo de construção e cristalização. O eleitorado brasileiro é muito volátil quanto a partidos e lideranças políticas. Todos os candidatos que aparecem nas pesquisas têm uma rejeição muito grande, ou seja, existe uma desconfiança muito grande dos brasileiros quanto às nossas instituições políticas, tribunais, justiça. Parecem instituições inalcançáveis para a grande maioria do povo”, disse Reis, levando em conta as possíveis candidaturas de nomes como Lula, Bolsonaro, Moro e Huck 

O professor ainda analisou as posturas de Lula e Bolsonaro a partir deste momento.“Não é porque os processos contra ele foram classificados como injustos e parcialmente anulados, não é por isso que vamos esquecer a ligação do PT com os malfeitos. O Lula deve ao Brasil uma autocrítica”, opinou. Sobre a mudança de postura apresentada por Jair Bolsonaro, o professor não se surpreendeu. “Bolsonaro é um mentiroso compulsivo que mente sem nenhum pudor. O Bolsonaro agora quer se apresentar como campeão da luta contra a pandemia. Isso é comum na folha corrida do Bolsonaro. Ele vai tentar vestir esse papel de campeão da luta contra a pandemia”, acredita o estudioso.
 

Notícias relacionadas