Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

'Maior dificuldade hoje é o conhecimento da rede', diz secretária de Política para Mulheres, Infância e Juventude

Secretária informou que o Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares, nos Barris, tem tele atendimento pelo número 99701-4675

['Maior dificuldade hoje é o conhecimento da rede', diz secretária de Política para Mulheres, Infância e Juventude]
Foto : Reprodução/Youtube

Por Geovana Oliveira no dia 07 de Abril de 2021 ⋅ 20:30

Em entrevista hoje (7) ao Jornal da Cidade, na Rádio Metrópole, a secretária de Política para Mulheres, Infância e Juventude de Salvador, Fernanda Lordelo, disse que os serviços de apoio da pasta às mulheres em situação de violência ainda precisam ser mais conhecidos pela população. "Maior dificuldade hoje é o conhecimento da rede", afirma. 

Segundo Lordelo, com a pandemia e o confinamento das pessoas em suas residências, a tensão aumentou e muitas vezes a mulher não sabe a quem recorrer. Ela esclarece que secretaria tem três equipamentos de atendimento às mulheres em situação de violência doméstica. A pasta trabalha com desenvolvimento de política para mulheres, infância e juventude — o conselho tutelar esta vinculado à secretaria —, e conta com duas diretorias, uma de política para mulher e outra para infância e juventude. 

"Esses equipamentos dão todo um suporte, acolhimento, orientação e capacitação para todas as mulheres efetivamente que são vulneráveis", explica. Isso é feito através de uma rede de parceria com CRAS, Defensoria Pública, Ministério Público e casas de acolhimento provisório, de onde recebem as demandas das mulheres que se encontram em situação de violência.

A secretária informou que o Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares, nos Barris, tem tele atendimento pelo número 99701-4675. Nacionalmente, tem o disk 180 que também funciona para denúncia. E por fim, tem o acolhimento na Casa Provisória, que funciona em plantão de 24 horas — a mulher pode ficar lá até 15 dias, com filho de até 12 anos. 

Notícias relacionadas